Meningite bacteriana: sintomas, tratamentos e causas

REVISADO POR
Dr. Andre Felicio
Neurologia - CRM 109665/SP
especialista minha vida

Visão Geral

O que é Meningite bacteriana?

Sinônimos: meningite meningocócica

Meningite bacteriana, também chamada de meningite meningocócica, é a inflamação das meninges causada por bactérias. Mais de 80% dos casos de meningite são provocados por infecção bacteriana.

PUBLICIDADE

Causas

Três bactérias podem causar meningite bacteriana. Elas são Neisseria meningitidis, Hemophilus influenzae e Streptococcus pneumoniae. Essas três encontram-se normalmente no meio ambiente e podem inclusive viver no nariz ou no aparelho respiratório de uma pessoa sem provocar qualquer dano.

Meningite: entenda a doença infecciosa e saiba como detectá-la

De maneira ocasional, estes organismos infectam o cérebro sem que se possa identificar a razão disso. Em outros casos, a infecção se dá por meio de uma ferida na cabeça, ou pode ser provocada, ainda, por uma anomalia do sistema imunológico.

Fatores de risco

As pessoas com maior risco de ter meningite bacteriana são as que apresentam infecção crônica do ouvido e do nariz, pneumonia e que fazem uso abusivo de bebidas alcoólicas.

A doença também é mais comum em crianças de um mês a dois anos de idade e ocorre com mais frequência no inverno ou na primavera. Ela pode causar epidemias locais em internatos, dormitórios estudantis ou bases militares.

Sintomas

Sintomas de Meningite bacteriana

Os principais sinais e sintomas da meningite bacteriana costumam se manifestar rapidamente e podem incluir:

  • Febre alta e calafrios
  • Alterações do estado mental
  • Náusea e vômitos
  • Áreas roxas, como machucados
  • Erupções, pontos vermelhos
  • Sensibilidade à luz (fotofobia)
  • Dor de cabeça forte
  • Pescoço rígido (meningismo).

Outros sintomas que podem ocorrer:

  • Fontanelas (moleiras) protuberantes
  • Perda de consciência
  • Alimentação deficiente ou irritabilidade em crianças
  • Respiração acelerada
  • Postura incomum com a cabeça e o pescoço arqueados para trás.

Diagnóstico e Exames

Na consulta médica

Entre as especialidades que podem diagnosticar meningite bacteriana estão:

  • Clínica médica
  • Infectologia
  • Neurologia
  • Pediatria.

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

  • Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram
  • Histórico médico, incluindo outras condições que o paciente tenha e medicamentos ou suplementos que ele tome com regularidade.

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

  • Quando os sintomas começaram?
  • Os sintomas são frequentes ou ocasionais?
  • Qual a intensidade de seus sintomas?
  • Você tem apresentado agitação recentemente?
  • Você teve episódios de perda de consciência?
  • Você tomou alguma medida para aliviar os sintomas? E funcionou?

Diagnóstico de Meningite bacteriana

Já que a meningite bacteriana pode levar à morte em poucas horas, a atenção médica imediata se faz necessária.

Durante o exame físico, o médico procurará a presença de erupções cutâneas (habitualmente, manchas vermelhas e roxas), cianose (uma cor azulada da pele), rigidez da nuca e de outros sinais característicos da meningite.

Para qualquer paciente com suspeita de meningite, é importante realizar uma punção lombar, na qual o líquido cérebro-espinhal (conhecido como líquido cefalorraquidiano ou LCR) é coletado para exames.

Possíveis testes incluem:

  • Hemocultura
  • Raio-X do tórax
  • Exame CSF da contagem de células, glucose e proteína
  • Tomografia computadorizada da cabeça
  • Coloração de Gram, outras colorações especiais e cultura de CSF
  • Contagem de glóbulos brancos.

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Meningite bacteriana

O tratamento com antibióticos deve ser iniciado o mais rápido possível. Se necessário, o tratamento também poderá ser feito com corticosteroides por via endovenosa para diminuir a inflamação. Pode utilizar-se um ou mais antibióticos para combater as bactérias.

Depois de identificada a bactéria responsável (um ou dois dias mais tarde, geralmente) é possível escolher o antibiótico mais apropriado para tratar a doença. O tratamento implica também a administração de líquidos em função da febre, da sudação, dos vômitos e da falta de apetite.

Medicamentos para Meningite bacteriana

Os medicamentos mais usados para o tratamento de meningite bacteriana são:

Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

Convivendo (prognóstico)

Complicações possíveis

Meningite bacteriana pode evoluir para problemas de saúde mais graves. Exemplos:

Expectativas

O tratamento precoce melhora as expectativas de recuperação. A taxa de mortalidade varia de 5% a 15%, e as principais vítimas são crianças pequenas e os adultos com mais de 50 anos.

Prevenção

Prevenção

Todos os familiares e pessoas próximas (principalmente em ambientes de saúde ou de educação) a alguém com esse tipo de meningite devem começar o tratamento com antibióticos assim que possível para impedir a propagação da doença. Pergunte a seu médico sobre isso durante a primeira visita.

Os contatos próximos em casa, na escola ou na creche devem ser observados para detectar sinais precoces da doença assim que o primeiro caso for diagnosticado. Tenha sempre bons hábitos de higiene, como lavar as mãos antes e depois de trocar fraldas ou depois de usar o banheiro.

As vacinas são eficazes para controlar epidemias. Elas são atualmente recomendadas para:

  • Estudantes universitários vivendo em dormitórios no primeiro ano na universidade
  • Recrutas militares
  • Pessoas que viajam a certas regiões do mundo.

Perguntas sobre meningite bacteriana

Fontes e referências

  • Revisado por: Dr. Andre C. Felício, neurologista - CRM: 109.665.
  • Ministério da Saúde
  • Sociedade Brasileira de Neurologia
  • Sociedade Brasileira de Infectologia