Angina pectoris: sintomas, tratamentos e causas

REVISADO POR
Dr. Bruno Valdigem
Cardiologia - CRM 118535/SP
especialista minha vida

Visão Geral

O que é Angina pectoris?

Sinônimos: dor no peito, angina no peito

Angina pectoris, em tradução livre, seria “dor no peito”. A angina ficou no linguajar médico usal como sugestiva de dor em aperto no peito, geralmente causada por doença coronariana. Quando uma artéria coronária obstrui o musculo cardíaco fica sem ocigenio, e começa a sofrer.

PUBLICIDADE

A dor é o sinal de sofrimento. Se essa “asfixia” durar tempo o bastante, o musculo morre e aí chamamos infarto. Depois de algumas horas (em torno de 12 horas) o musculo daquela região já morreu por completo e a dor cessa. Aí nascem as complicações do infarto.

Tipos

A divisão dos tipos de angina geralmente obedece ao critério de previsibilidade e evolução.

  • Angina estável é aquela que aparece com situações previsíveis, por exemplo, a mesma carga de esforço, subindo a ladeira com a mesma velocidade ou quando chega sempre na mesma frequência cardíaca, sem alteração nos últimos dois meses
  • Angina instável é aquela que mudou de padrão, e aparece mesmo em repouso ou mesmo sem provocação.

Causas

Angina pode ser secundária a entrega insuficiente de sangue para o miocárdio ou por consumo exacerbado. Consumo é mais fácil de compreender: Anemia pode levar a dor no peito por falta de oxigênio no sangue que chega ao coração.

Taquicardia pode levar o coração a esforço supramaximo e exigir mais do musculo que ele consegue receber. Estenose aórtica(redução da abertura da válvula que permite a passagem do sangue do coração para o corpo) faz com que o musculo se esforce mais do que deveria.

A entrega insuficiente pode ser causada pela obstrução dos vasos sanguíneos(coronárias) que alimentam o coração com glicose e oxigênio. Isso faz com que a chegada seja muito inferior a qualquer demanda(as vezes tao grave que a dor vem mesmo em repouso). Essa ultima é a causa da maioria dos quadros de angina

Fatores de risco

Diabetes, colesterol elevado, alimentação irregular 52(excessiva em carboidratos), tabagismo, hipertensão não controlada, entre outras. São os mesmos fatores de risco de infarto e AVC.

Exames

Testes provocativos (como teste ergométrico, cintilografia, ressonância magnética) são ótimos para descobrir o nível de estresse e o quanto o cansaço ou dor são causados pelo coração ou por outras causas.

Outras formas de avaliar levam em conta a anatomia, por exemplo, a tomografia de coronárias e a cineangiocoronariografia. Estas guiam tratamento, por exemplo stents ou cirurgia cardíaca, quando necessário.

De acordo com a gravidade ou mudança dos sintomas são preferidos uns ou outros.

Sintomas

Sintomas de Angina pectoris

A angina em si é um sintoma. Dor na região anterior do tórax, geralmente constritiva, que piora com esforço. Pode irradiar para braço ou costas. Pode ate surgir como dor atípica, por exemplo, na mandíbula ou boca do estomago (epigástrio)

Buscando ajuda médica

Em pacientes cujo diagnóstico já foi avaliado por um médico e a opção de controle é conservadora (não cirúrgica e sem perspectiva de angioplastia) o paciente deve se abster de esforço que cause a angina. Qualquer mudança no padrão, intensidade, duração ou tipo de provocação deve requerer atenção imediata (pode estar acontecendo um infarto).

Diagnóstico e Exames

Diagnóstico de Angina pectoris

O diagnóstico é feito pela história do paciente e exame físico. Alguns exames são feitos para avaliar o risco de infarto ou morte e para descobrir a causa e qual o melhor tratamento

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Angina pectoris

São diversos os tratamentos para a angina pectoris. Alguns são focados na redução da frequência cardíaca, redução de consumo e da carga que o coração trabalha, como os beta bloqueadores, os inibidores da ECA e quando necessários vasodilatadores.

Outros são focados na redução do depósito de colesterol nas artérias, por exemplo, as estatinas, fibratos e novos injetáveis- inibidores da PCSK9.

Por fim temos os antiagregantes plaquetarios, que evitam trombose e infarto.

As formas de tratar as obstruções invasivamente são as angioplastias, onde são colocadas traves metálicas para abrir a luz da artéria e impedir que se fechem – os stents - ou cirurgia cardíaca, quando uma ponte entre a aorta e a coronária depois da lesão é feita usando vasos sanguíneos do paciente.

Convivendo (prognóstico)

Complicações possíveis

A maior complicação da angina pectoris é infarto. A angina é um aviso de que essa pessoa esta em risco de enfartar se o esforço for maior que o previsto. Mesmo com esse cuidado, a placa de colesterol/gordura pode romper e causar um infarto.

Prevenção

Prevenção

A prevenção passa pelo cuidado com a saúde, alimentação balanceada, uso das medicações como solicitado pelo médico. Controle de pressão arterial e glicemia (no diabetes), controle da função renal e dieta. Exercícios regulares, 30 minutos 5 vezes por semana.