Rafael perguntou:

Existe algum alimento que ajuda na cura do câncer de próstata quando já se fez radioterapia e injeções?

  • Respondido em 28/10/2016
    Dr. Valter Javaroni Urologia - CRM 52575160/RJ
    especialista minha vida
    Olá,

    Os estudos que tentaram identificar alimentos ou suplementos com capacidade de prevenir ou retardar a progressão do câncer da próstata foram frustrantes. Existem publicações que, vez ou outra, aparecem na mídia destacando o papel de substâncias como licopeno (tomate), ômega 3, selênio, vitamina E, zinco e outras, mas apenas estudos experimentais (feitos no laboratório com células ou animais) ou ensaios clínicos pequenos (como poucos homens) serviram como fonte destas informações. Ainda necessitam de comprovação através de estudos mais robustos. Isso porque quando a informação é gerada a partir de um estudo modesto, geralmente as conclusões obtidas não se repetem em estudos semelhantes feitos em outros locais e por outros pesquisadores. Então por que não fazemos logo grandes estudos para obter respostas definitivas? A questão é que esses estudos exigem muito dinheiro e levam tempo para serem concluídos.
    Um bom exemplo é o selênio, substância encontrada no ovo, feijão e castanha do Pará. Pequenos estudos feitos com células do câncer da próstata no laboratório e em animais apontavam para uma capacidade desta substância de inibir a multiplicação das células do tumor. Em 2001, baseados nessas informações iniciais, pesquisadores decidiram realizar um grande estudo envolvendo homens com mais de 50 anos e que foram acompanhados durante sete anos. Metade dos homens recebeu suplemento com selênio e vitamina E, enquanto a outra metade recebeu placebo (cápsulas iguais mas sem princípio ativo). Esse estudo ficou conhecido como SELECT (Selenium and Vitamin E Cancer Prevention Trial). O resultado foi decepcionante e não houve redução nos casos de câncer da próstata no grupo que recebeu a suplementação. Ou seja, o que era verdade quando se estudava o selênio no laboratório, não foi comprovado no estudo maior. O SELECT foi feito para verificar se em homens com idade para desenvolver câncer da próstata o uso do selênio iria protegê-los. A conclusão foi que não protege.
    Mas não paramos por aqui, pois podemos ser mais específicos diante da pergunta apresentada ao portal Minha Vida. Em 2014, um outro estudo denominado ”Selenium Supplementation and Prostate Cancer Mortality" foi publicado. Nesse estudo, mais de quatro mil homens diagnosticados com câncer de próstata foram divididos em dois grupos: um grupo recebeu suplementação com selênio e outro placebo. Após cerca de cinco anos de acompanhamento, os homens que estavam fazendo a suplementação diária com selênio apresentaram uma chance duas vezes e meia maior de morrer de câncer de próstata quando comparados àqueles que não faziam tal suplementação. Portanto, alem de não prevenir o câncer da próstata (resultado demonstrado no estudo SELECT), a suplementação com selênio (mais de 140 microgramas/dia) em homens que tinham câncer da próstata AUMENTOU A MORTALIDADE pelo câncer.
    Esse exemplo serve para alertar alguns aspectos importantes: nem todo resultado promissor de um pequeno estudo representa uma verdade absoluta; a ciência vai evoluindo na medida em que pesquisadores fazem novas descobertas e fazem testes sobre elas; mas precisamos respeitar a sequência natural de desenvolvimento de medicamentos antes de empregá-las na população.
    Finalmente, o que existe de eficaz em relação à alimentação e câncer não chega a ser novidade: alimentação balanceada, atividade física regular e controle do peso ajudam muito a vencer essa batalha.