Quais os riscos, em longo prazo, das medicações para dormir?

Remédios para insônia podem ter vários efeitos colaterais, principalmente quando não utilizadas conforme a recomendação médica

ARTIGO DE ESPECIALISTA - ATUALIZADO EM 10/08/2016

Dr. Ivan Mario Braun
Psiquiatria - CRM 57449/SP
especialista minha vida

A definição de insônia é bastante complexa, mas envolve, em geral, um período prolongado em que a pessoa não consegue dormir - geralmente acima de 30 minutos ou vários despertares durante a noite - por pelo menos um mês seguido. A insatisfação com o sono e dificuldades de desempenhar atividades no dia seguinte também fazem parte dos critérios. (1)

PUBLICIDADE

Num estudo feito na cidade de São Paulo e publicado em 2013, consta que cerca de 15% de 1042 pessoas pesquisadas apresentava um quadro de insônia (2). Por outro lado, cerca de quatro em cada cem paulistanos, segundo outro estudo, usam sedativos ou medicações para dormir. Considerando a Grande São Paulo, isto equivale a cerca de um milhão e duzentas mil pessoas (3).

As principais medicações para dormir são os benzodiazepínicos (aquelas vendidas em embalagens com uma faixa preta) e as drogas Z, das quais, no Brasil, são comercializados o zolpidem e o zopiclone - lembra-se que, numa farmácia, estas drogas podem ter várias marcas mas, embaixo do nome comercial, em letras menores, sempre pode ser visto o nome químico. Os benzodiazepínicos foram desenvolvidos a partir de meados da década de 50, no século passado, enquanto as drogas Z têm origem mais recente, a partir da década de 80 (4,5).

Antes da existência destas medicações, eram muito usados os remédios do grupo dos barbitúricos, que apresentavam riscos elevados quando usados em quantidades maiores. Assim, uma grande vantagem dos benzodiazepínicos e das drogas Z é que são muito seguros e, caso ingeridas em grandes quantidades, geralmente não trazem riscos de morte. Assim, a partir da década de 60, os benzodiazepínicos passaram a ser as drogas preferidas como tranquilizantes e indutores do sono.

Os efeitos colaterais

Porém, apesar da segurança destes remédios (benzodiazepínicos) em relação a riscos de vida, em curto prazo, eles possuem vários efeitos colaterais, potencialmente perigosos. Assim, logo no início do tratamento, eles aumentam os riscos de quedas e prejudicam a coordenação motora e a memória. Os acidentes indiretamente relacionados ao seu uso envolvem lesões por causa das quedas, prejuízos em atividades que exigem coordenação (como, por exemplo, dirigir veículos) e esquecimento (alguns chegam a cometer atos ilícitos e apagá-los da memória). Além disto, elas são abusadas por algumas pessoas, principalmente por indivíduos que já fazem uso de outras drogas, como a heroína.

Em longo prazo, pode haver uma diminuição dos efeitos sobre a coordenação motora, porém os efeitos negativos sobre a memória tendem a permanecer. Inclusive, existe um estudo que sugere que o uso prolongado pode estar relacionado ao desenvolvimento de quadros de demência (6) - parecidos com a Doença de Alzheimer, com alterações comportamentais e redução progressiva da capacidade de se lembrar, principalmente de fatos recentes - ou da própria Doença de Alzheimer.

As drogas Z parecem ser um pouco mais seguras, porém há evidências de que mesmo elas podem causar problemas de equilíbrio e coordenação motora, principalmente se seus efeitos forem medidos no decorrer da noite em que as pessoas tomaram estes remédios.

Apesar de não haver conclusões definitivas, pesquisadores que estudam as consequências do uso de benzodiazepínicos recomendam que sejam utilizados por um máximo de duas semanas seguidas. Também se recomenda que se não sejam usados em pessoas acima dos sessenta ou sessenta e cinco anos (8).

O que fazer em caso de insônia?

Quando alguém tem insônia, deve consultar um(a) especialista (geralmente psiquiatra ou neurologista). O(a) profissional fará uma investigação da insônia, que pode aparecer sozinha ou ser causada por quadros como depressão, ansiedade ou vários tipos de doenças clínicas.

Naqueles casos em que a insônia tiver uma causa determinada, deve-se tratar esta causa e, como consequência provável, a insônia será curada ou melhorada.

Em outros casos, quando não houver nenhuma doença que explique a insônia, além do uso de medicações em curto prazo, podem-se usar técnicas de higiene do sono, que também são eficazes e não têm efeitos colaterais. São elas:

1. Ir para a cama apenas quando estiver muito sonolento, sem conseguir manter-se acordado. Não basta estar cansado. Enquanto isto, ficar assistindo à TV, lendo um livro, folheando uma revista ou escutando música. Sempre atividades tranquilas, que relaxem. Filmes de suspense, músicas muito agitadas, atividades como lavar louças ou varrer a casa podem deixar a pessoa ainda mais acordada.

2. Se acordar no meio da noite e não adormecer em 15 a 20 minutos, fazem como em 1.

3. Exercícios físicos aeróbicos várias vezes por semana.

4. Tomar um lanche leve antes de ir dormir.

5. Não fumar e não beber café na parte da tarde.

6. Jamais tentar "forçar" o sono: quanto mais a pessoa tenta, mais acordada fica.

7. Para algumas pessoas, ajuda tomar um banho morno antes de dormir.

8. Acordar cedo, mesmo nos feriados e fins de semana.

9. Não dormir a mais, mesmo se tiver dormido mal durante a noite.

10. Não tirar cochilos durante o dia.

Referências

1. American Psychiatric Association: Diagnostic and statisticam manual of mental disorders, fifth edition . Arlington, VA, American Psychiatric Association, 2013. p.947

2. Castro LS, Poyares D, Leger D, Bittencourt L, Tufik S. Objective prevalence of insomnia in the São Paulo, Brazil epidemiologic sleep study. Ann Neurol. 2013 Oct;74(4):537-46. doi: 10.1002/ana.23945. Epub 2013 Sep 16.

3.Campanha AM, Siu ER, Milhorança IA, Viana MC, Wang YP, Andrade LH. Use of psychotropic medications in São Paulo Metropolitan Area, Brazil: pattern of healthcare provision to general population. Pharmacoepidemiol Drug Saf. 2015 Jul 8. doi: 10.1002/pds.3826. [Epub ahead of print].

4. Benzodiazepine. (2015, September 27). In Wikipedia, The Free Encyclopedia. Retrieved 12:09, September 29, 2015, from https://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Benzodiazepine&oldid=682929537

5. Z drug. (2008, February 11). In Wikipedia, The Free Encyclopedia. Retrieved 12:06, September 29, 2015. From https://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Z_drug&oldid=190589359

6. Billioti de Gage S, Bégaud B, Bazin F, Verdoux H, Dartigues JF, Pérès K, Kurth T, Pariente A Benzodiazepine use and risk if dementia: aprospective population based study. BMJ. 2012 Sep 27;345:e6231. doi: 10.1136/bmj.e6231

7. Billioti de Gage S, Moride Y, Ducruet T, Kurth T, Verdoux H, Tournier M, Pariente A, Bégaud B Benzodiazepine use and risk of Alzheimer?s disease: case-control study BMJ 2014;349:g5205 doi: 10.1136/bmj.g5205 (Published 9 September 2014)

8. Lader M Benzodiazepine harm: how can it be reduced? B J Clin Pharmacol, 2012 doi: 10.1111/j.1365- 2125.2012.04418.

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.