Vareniclina: conheça os prós e contras desse tratamento para parar de fumar

O medicamento atua de forma diferenciada nos receptores cerebrais da nicotina, reduzindo o prazer em fumar

O que é a vareniclina

A vareniclina é um medicamento comumente usado no tratamento para parar de fumar, pois atua no cérebro, reduzindo a vontade de fumar e os sintomas de abstinência. O uso do tartanato de vareniclina foi aprovado com essa finalidade pela FDA (agência reguladora de medicamentos e alimentos dos Estados Unidos) em 2006, e chegou ao Brasil um ano depois. Desde então, vem sendo considerado o medicamento mais eficaz entre os tratamentos de primeira linha para cessar o tabagismo.

PUBLICIDADE

Para quem a vareniclina é indicada

Normalmente a vareniclina é indicada para tabagistas que já tentaram parar por outros tratamentos medicamentosos sem sucesso ou que, na primeira consulta, o médico acha que tem o perfil de benefício do uso desta medicação como primeira escolha. Existem outras opções medicamentosas como o antidepressivo bupropiona, bem como adesivos e gomas que apresentam nicotina na composição, as situações de escolha entre um e outro medicamento depende da avaliação médica.

Como funciona a vareniclina

A vareniclina se liga parcialmente ao receptor da nicotina, com isso ela consegue ao mesmo tempo reduzir a intensidade do desejo pelo cigarro e diminuir os sintomas relacionados à abstinência. Consequentemente, os indivíduos podem atingir e manter a abstinência do cigarro.


Por outro lado, se mesmo o tomando a pessoa não resiste e fuma um cigarro durante o tratamento, o medicamento tem o potencial de demover a sensação de prazer associada ao fumo e isso ajudará a prevenir um círculo vicioso e fortalecerá o paciente a alcançar o sucesso no tratamento, impedindo que ele sinta prazer nas possíveis escapadas durante o tratamento antitabagista.

Como usar vareniclina

A vareniclina é introduzida aos pacientes aos poucos: primeiro apenas uma dose de 0,5 mg por dia, por três dias. Depois, o paciente começa a tomar duas doses de 0,5 mg em momentos diferentes do dia por mais quatro dias, e por fim começa a consumir um comprimido de 1 mg de uma vez, até o final do tratamento. Com isto reduzem-se possíveis efeitos colaterais e facilita que o paciente mantenha aderido ao tratamento.

Nesse período, é possível fazer a cessação do cigarro a partir do oitavo dia de tratamento, quando o paciente começa a tomar 1 mg do medicamento. Isso pode ser feito na segunda semana do tratamento ou até o 35º dia tomando a medicação. Os comprimidos devem ser engolidos inteiros com água e podem ser tomados com ou sem a ingestão de alimentos.

Ao final do tratamento, a descontinuação de Champix foi associada em alguns casos, com um aumento na irritabilidade, urgência em fumar, depressão e/ou insônia em até 3% dos pacientes.

Vantagens e desvantagens da vareniclina

A maior vantagem da vareniclina está em sua atuação especialmente feita para quem quer parar de fumar, se ligando parcialmente ao receptor da nicotina, com isso ela conseguindo ao mesmo tempo reduzir a intensidade do desejo pelo cigarro e diminuir os sintomas relacionados à abstinência.

Além disso, esse é um medicamento que pode ser tomado enquanto se fuma, e ajuda a reduzir a sensação de prazer ao fumar, ajudando o paciente a não prosseguir em sua recaída.

Entre as desvantagens estão alguns dos efeitos colaterais, que envolvem problemas de sono, estômago, gases e vômitos.

Resultados esperados

Diversos estudos comprovam a eficiência da vareniclina. Estudos com esse medicamento, que serviram de base para sua aprovação tanto nos EUA como no Brasil, envolveram mais de dois mil tabagistas que fumavam em média 21 cigarros por dia durante 25 anos. Pacientes que receberam a vareniclina por 12 semanas quadruplicaram a chance de parar de fumar, quando comparados aos que usaram placebo, e dobraram a possibilidade de largar o vício quando comparados aos que usaram bupropiona.

Efeitos colaterais

O efeito colateral mais comum é a náusea (que ocorre em 30% dos pacientes), que é minimizada ingerindo-se a medicação após refeições e com um copo de água. Menos de 6% dos pacientes suspendem a medicação por esta razão. Também é comum os pacientes sentirem náuseas, problemas de sono, constipação, gases e/ou vômitos. Você pode ter problemas de sono, sonhos vívidos e incomuns.

Algumas pessoas podem ter reações cutâneas sérias enquanto estiverem tomando o medicamento, ou mesmo reações alérgicas. Se você tiver estes sintomas ou tiver uma erupção cutânea com descamação ou bolhas na sua boca, suspenda o uso e procure auxílio médico imediatamente.

Contraindicações da vareniclina

Este medicamento não deve ser utilizado por pacientes menores de 18 anos de idade, grávidas, lactantes e pessoas que tem o hábito de se automedicar. Pessoas com alergia à vareniclina ou outros compostos do medicamento também estou contraindicadas.

Pacientes que apresentarem doenças psiquiátricas não estabilizadas devem primeiro tratá-las antes de iniciar o tratamento com o este medicamento.

Riscos

Por ser um medicamento para uso psiquiátrico, é muito importante que o médico avalie se o paciente tem algum transtorno desse tipo, pois é possível que a medicação possa desestabilizar o estado mental de quem é vulnerável.

O tratamento com a vareniclina pode alterar a farmacocinética ou a farmacodinâmica de alguns medicamentos, para os quais o ajuste de dose pode ser necessário (exemplos incluem teofilina, varfarina e insulina).

Tratamentos aliados

Terapia de reposição de nicotina Em geral, é importante aliar o tratamento com a bupropiona com tratamentos de reposição de nicotina (como a pastilha de nicotina e o spray nasal de nicotina), para potencializar os resultados. Mas tudo isso depende da avaliação individual de cada pessoa, que só pode ser feita por um médico.

Bupropiona Apesar de muitos estudos compararem os efeitos da vareniclina com a bupropiona, dizendo que o primeiro medicamento é mais eficaz para parar de fumar, alguns estudos têm mostrado a eficiência em aliar os dois medicamentos no tratamento. Um estudo publicado no American Journal of Psychiatry em junho de 2014 dividiu 222 fumantes em dois grupos, um tomando apenas a vareniclina com um placebo e o outro tomando esse remédio associado com a bupropiona. Enquanto o primeiro grupo teve uma taxa de sucesso de 25,9% na cessação fumo, o grupo que associou os tratamentos teve um índice de 39,8%.

Quem pode receitar o tratamento com vareniclina

O ideal é que o fumante procure um médico especializado em cessação de cigarro, como um pneumologista, cardiologista ou psiquiatra.

Fontes
Psiquiatra Hewdy Lobo (CRM-SP: 114681), médico psiquiatra forense e psicoterapeuta com titulações pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) e diretor do Vida Mental Serviços Médicos
Psiquiatra Evelyn Vinocur (CRM-RJ 303514), membro associado da Associação Brasileira de Psiquiatria e da Associação Mundial de Psiquiatria
Livro "Tabagismo: Doença que tem tratamento" (Editora ArtMed), organizado pelo pneumologista Luiz Carlos Côrrea da Silva