Adesivo de nicotina: conheça os prós e contras desse tratamento para parar de fumar

O adesivo regula uma quantidade de nicotina no corpo e reduz os sintomas da síndrome de abstinência

O que é o adesivo de nicotina

O adesivo de nicotina é um dos recursos utilizados na Terapia de Reposição de Nicotina (TRN), que fornece ao paciente dose de uma das substâncias mais viciantes do cigarro sem o risco das outras substâncias presentes nele que são mais nocivas, como o alcatrão e o monóxido de carbono. Assim ajuda a reduzir as crises de abstinência, retirando a nicotina aos poucos e ajudando no processo para parar de fumar.

PUBLICIDADE

Entre os métodos disponíveis para a TRN, o que tem maior adesão é o adesivo de nicotina, por apresentar menos efeitos adversos e desagradáveis. Ele consiste em um adesivo que é colocado sobre a pele em qualquer parte do corpo (desde que não tenha pelos), e vão liberando nicotina sem interrupções por 24 horas, com o pico de absorção entre quatro e nove horas após o contato com a pele.

Para quem o adesivo de nicotina é indicado

Em geral a Terapia de Reposição de Nicotina, que envolve o adesivo de nicotina, é usada quando o paciente tem alta dependência, ou seja, caso o paciente tenha pontuado acima de cinco em teste específico, chamado de Teste de Fagerström, ou quando há histórico de síndrome de abstinência quando a pessoa fica privada do fumo. No geral, o uso dessa terapia em pessoas que fumam menos de 10 cigarros por dia é controverso, mas precisa ser considerado caso a caso.


Como funciona o adesivo de nicotina

O adesivo é colocado sobre a pele em qualquer parte do corpo (desde que não tenha pelos). Então, a nicotina é liberada sem interrupções por 24 horas, tendo seu pico de absorção entre quatro e nove horas após o contato com a pele.

Como usar o adesivo de nicotina

O adesivo deve ser colado na pele em uma região sem pelos e que não sofra exposição ao sol, e pode ser usado por 24 horas, mas uma boa dica é colocar o adesivo assim que acordar e tirá-lo depois, para simular o ciclo de consumo de cigarros diário. Ao trocar, é preciso colar o novo em outra parte do corpo e repetir esse ritual todos os dias. Normalmente, indica-se colocar os adesivos no tórax, e uma região interessante é as costas, pois ele fica mais escondido e não há risco de exposição solar.

O esquema de uso pode variar de dois a três meses, dependendo da intensidade da dependência da pessoa. Existem adesivos de 21, 14 e 7 mg, e o mais comum é que a dose seja reduzida em 7 mg a cada quatro semanas, mas isso varia conforme a tolerância à síndrome de abstinência, que deve ser avaliada pelo médico.

De qualquer forma, existem orientações gerais de como usar os adesivos. Pessoas que pontuaram entre 8 e 10 pontos no Teste de Fagerström ou consomem 20 ou mais cigarros por dia normalmente seguem o tratamento por 12 semanas com o seguinte esquema de dosagens:

  • Semanas 1 a 4 = uso de adesivos de 21 mg
  • Semanas 5 a 8 = uso de adesivos de 14 mg
  • Semanas 9 a 12 = uso de adesivos de 7 mg.

Já aqueles que pontuaram entre 5 e 7 pontos no Teste de Fagerström ou consomem 10 ou mais cigarros por dia podem levar o tratamento com oito semanas, iniciando com uma dosagem menor:

  • Semanas 1 a 4 = uso de adesivos de 14 mg
  • Semanas 5 a 8 = uso de adesivos de 7 mg.

Resultados esperados

Uma análise revisada em 2008 pelo Banco de Dados da Cochrane Collaboration (renomada associação mundial de profissionais e pesquisadores de saúde) mostrou que pessoas que usavam o adesivo de nicotina conseguem se tornar abstinentes do cigarro após seis meses, as chances foram de duas a três vezes maiores do que os estudados que usavam placebos. Ele inclusive foi melhor do que o placebo aliado ao suporte comportamental.

Vantagens e desvantagens do adesivo de nicotina

As quantidades de nicotina são controladas ao longo do dia quando se usa o adesivo, o que permite mais equilíbrio ao paciente. Além disso, as pessoas não sentem gosto nenhum e as pessoas só precisam se lembrar dele ao longo do dia.

Qualquer Terapia de Reposição de Nicotina tem como vantagem o fato de só repor a nicotina, poupando o até então fumante de estar em contato com as outras substâncias nocivas do tabaco (como o alcatrão, por exemplo), mas reduzindo as crises de abstinência, já que a nicotina é reduzida gradualmente. Não há risco do paciente viciar no adesivo ou em qualquer outro método desse tipo de terapia.

A desvantagem está no uso do adesivo durante todo o dia e nos riscos, embora mínimos, de ter alergias cutâneas.

Efeitos colaterais

O efeito colateral mais comum é a presença de irritações na pele que podem levar ao fim do tratamento, mas isso é muito raro, de acordo com os especialistas.

Contraindicações

Por repor apenas a nicotina e em quantidades bem menores do que encontramos no cigarro, não há graves riscos, já que ela é mais responsável pelo vício por fumar do que pelos malefícios do tabagismo em si.

Justamente por esse motivo, não há muitas contraindicações para as terapias de reposição de nicotina, como o adesivo de nicotina, pois continuar fumando é sempre pior. Alguns especialistas alegam que mesmo pessoas com doenças cardíacas e gestantes podem fazer uso desses recursos, até porque não há provas de que esse tipo de tratamento cause problemas à saúde do feto.

Porém, novos estudos têm mostrado a relação entre a nicotina e o câncer. Um estudo publicado na revista científica PLoS One, em 2013 mostrou que a substância pode alterar a expressão dos genes da células, tornando mais provável o aparecimento da doença. Essas descobertas podem mudar as medidas de recomendação para esse tipo de terapia.

Tratamentos aliados ao adesivo de nicotina

Chiclete de nicotina Muitas vezes, mesmo quando a pessoa usa o adesivo, ela pode apresentar algumas manifestações de abstinência ou fissura (vontade intensa de fumar). Nesses casos o médico pode recomendar o uso do chiclete de 2 a 4 mg de nicotina para os piores momentos dos sintomas, e pode-se usar até 20 gomas por dia.

Bupropiona Em outros casos, quando o paciente é muito dependente de nicotina, o médico pode aliar as terapias de reposição de nicotina com o tratamento medicamentoso, usando a bupropiona. O medicamento também reduz a vontade de fumar e pode ser tomado por até três meses, mas só pode ser comprado com receita.

Quem pode indicar o adesivo de nicotina

Os adesivos de nicotinas podem ser comprados na farmácia sem receita. Mas o ideal é que o tratamento seja orientado por um médico, para que ele possa aliar outras estratégias e escolher o melhor método para o seu caso, de acordo com seu histórico e grau de dependência.

Fontes
Pneumologista Luiz Carlos Côrrea da Silva (CRM-RS 4414), membro da Comissão de Tabagismo da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) e do conselho consultivo da Aliança de Controle do Tabagismo (ACTBr)
Psicóloga Sabrina Presman, especialista em tabagismo da Associação Brasileira do Estudo do Álcool e Outras Drogas (ABEAD)
Livro "Tabagismo: Doença que tem tratamento" (Editora ArtMed), organizado pelo pneumologista Luiz Carlos Côrrea da Silva