Mulheres contam como o toque no clitóris pode ser mais prazeroso

Mais de mil mulheres revelaram a intensidade e a forma como gostam de ser tocadas nessa região tão sensível

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 28/08/2017

De acordo com um estudo do Centro de Promoção da Saúde Sexual, da Universidade de Indiana, nos Estados Unidos, 37% das mulheres afirmaram precisar da estimulação do clitóris para conseguir atingir o orgasmo durante o sexo. O estudo foi publicado no Journal of Sex & Marital Therapy.

PUBLICIDADE

O mesmo trabalho científico mostrou que, para 36% das mulheres, o clitóris não é indispensável para o orgasmo, porém, pode torná-lo muito melhor. A pesquisa foi feita com 1.055 mulheres, de todas as faixas etárias, que revelaram o que seus parceiros precisavam fazer para que elas atingissem o nível máximo de prazer.

Ao contrário dos estudos anteriores sobre o tema, este buscou aprofundar em como as mulheres preferem ser tocadas e estimulados durante o sexo para chegar lá. Mais de 3 em cada 4 mulheres afirmou que alguns de seus orgasmos são melhores do que outros - a intensidade varia.

Quais são os fatores decisivos que podem transformar um orgasmo normal em um inesquecível? Para 78% delas, gastar tempo criando a excitação é a chave do sucesso. Já 44% das mulheres afirmaram que não se sentir com pressa ou pressionada pode ser a solução, e 39% cita o toque no clitóris como decisivo. Cerca de 13% delas afirmam que a masturbação durante o sexo pode acelerar seu orgasmo, enquanto 11% afirmam que a estimulação anal leva ao prazer.

E em quais partes elas querem ser tocadas? O clitóris é a resposta de 67% das mulheres, 45% delas prefere em torno do clitóris, e 25% preferem que ocasionalmente estimule seu clitóris, mas que não seja aplicada pressão direta sobre ele. Os dois tipos de toque mais citados como preferidos por elas foram: para cima e para baixo (64%) e movimentos circulares (52%).

Os pesquisadores registraram uma grande variedade na pressão durante a estimulação: 34% gostam de uma pressão média, que chega a mover sua pele, 31% gostam de ser tocadas muito levemente, e 25% gostam de pressão leve que desliza sobre a pele. Apenas 11% preferem a firme pressão que pressiona profundamente na pele.