Laser alexandrite: laser é usado para depilação em peles mais claras

Apesar de ser menos doloroso, método é pouco usado por ser contraindicado em peles bronzeadas

O que é o laser alexandrite

O laser alexandrite é um laser derivado de um cristal que leva o mesmo nome. É um laser com comprimento de onda de 755 nanômetros cujas principais características são ter alta afinidade pela melanina e penetrar até a derme média, ou seja, em uma boa profundidade da pele.

PUBLICIDADE

Indicações do laser alexandrite

O laser alexandrite é usado, principalmente, para depilação em peles mais claras (até morenas claras) e para remoção de tatuagens (desde que seja Q- Switched).

Como é feita a aplicação do laser alexandrite

O tratamento é sempre feito em consultório. Na maioria das vezes usam-se cremes anestésicos na região que será tratado trinta minutos antes, para que façam efeito até o momento da aplicação do laser.


Os olhos do paciente são protegidos e a sessão começa. Antes os pelos precisam ser raspados, e então o laser é aplicado ponto a ponto em toda a região. Trata-se a pele de forma completa, não deixando nenhuma área sem tratar.

Sessões

São indicadas entre cinco e seis sessões para depilação, que devem ser feitas em intervalos de 30 dias. Cada sessão dura, em média, uns 20 minutos, sem contar, no entanto, a aplicação do creme anestésico.

Após o término do tratamento são necessárias de duas a três sessões ao ano para manutenção, especialmente em faces femininas, pois esses pelos podem reaparecer devido à ação de hormônios.

Profissionais que podem fazer

Como o laser alexandrite é considerado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) como um laser grau III, sua aplicação deve ser feita apenas por médicos.

Cuidados antes da aplicação do laser alexandrite

Como o laser alexandrite tem afinidade com a melanina, é muito importante que o paciente não esteja bronzeado no momento da aplicação, para que o laser não atinja a pele e a machuque. Por isso, é importante proteger a região que se pretende depilar com protetor solar FSP mínimo 30 ou mesmo manter a região coberta com roupas, se possível.

Além disso, é importante raspas a região em que o laser será aplicado, pois os pelos para fora também podem ser atingidos pelo laser, causando queimaduras na parte externa da pele.

Caso o laser alexandrite seja usado para remoção dos pelos, é importante não fazer depilação com cera ou qualquer outro método que arranque os fios dos folículos.

Cuidados após a aplicação do laser alexandrite

Após a aplicação do laser alexandrite a pele pode ficar sensível e o médico pode indicar o uso de pomada calmante ou com corticoide por até três dias. Além disso, é importante que a região não seja exposta ao sol diretamente, e que se use protetor solar com FSP acima de 30, reaplicado a cada três horas.

Contraindicações

O laser alexandrite é contraindicado para peles muito morenas ou bronzeadas, por ter risco de queimaduras. Para os pacientes que apresentam herpes simples recorrentes é indicado realizar uma profilaxia apropriada objetivando diminuir a probabilidade de um novo surto.

História de quelóides ou cicatrizes hipertróficas não é uma contraindicação ao tratamento, mas os indivíduos com essas condições são tratados de forma menos agressiva. Embora tenha sido relatado que o tratamento a laser de pacientes que fazem o uso oral da isotretinoína seria seguro, a questão permanece ainda controversa e por cautela, em pacientes tratados com doses altas, um período três meses pode ser aguardado após o término da droga para iniciar o tratamento.

Desequilíbrios hormonais, como síndrome do ovário policístico ou menopausa, além do uso de medicamentos como penicilamina, fenitoína, ciclosporina e cortisona podem estimular o crescimento dos pelos havendo a possibilidade de nascimento de novos pelos. Neste caso, o paciente deverá ser alertado sobre a necessidade de tratamentos de manutenção.

Pacientes que apresentam vitiligo e psoríase devem ser advertidos quanto ao risco de haver fenômeno de Köebner após o tratamento a laser.

Grávida pode fazer?

A gravidez é uma contraindicação para qualquer tratamento eletivo a laser por ausência de testes que comprovem a segurança para ela e o bebê.

Possíveis complicações da aplicação do laser alexandrite

Após a aplicação do laser alexandrite podem aparecer bolhas, cicatrizes e manchas escuras e claras, mas isso depende muito do tipo de pele e dos cuidados após a aplicação.

Antes e depois do laser alexandrite

Os lasers para depilação, como o laser alexandrite, não garantem que a pele tratada ficará para sempre sem pelos, mas a paciente pode esperar que a região fique sem eles por um bom tempo.

Compare o laser alexandrite com outros tratamentos

Na depilação a laser, o laser alexandrite tem a vantagem de doer menos que o laser de diodo, porém tem o inconveniente de queimar mais peles mais escuras ou levemente bronzeadas, alem de geralmente ser mais caro. É por eeses motivos que é um sucesso nos EUA e no Brasil não.

Já o laser Nd Yag é recomendado para regiões com pelos mais grossos, como a barba, levando vantagem sob o laser alexandrite.

Fontes
Revisado pela dermatologista Valéria Campos (CRM-SP 73.176), assessora do Departamento de Laser da Sociedade Brasileira de Dermatologia
Dermatologista Abdo Salomão Junior (CRM-SP 91.536), membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia