Onfaloplastia: conheça as indicações e resultados da cirurgia plástica do umbigo

Plástica é indicada para corrigir excesso de pele e gordura em volta do umbigo, mas também pode retirar hérnias umbilicais

O que é onfaloplastia

Onfaloplastia é o nome da cirurgia estética do umbigo. Ela tem indicação na maioria das vezes para os casos de excesso de gordura e pele na região, após a gravidez, pessoas que sofreram com o efeito safona ou saíram da obesidade, portadores de hérnia umbilical e ainda quando o umbigo apresenta um formato inestético congênito.

PUBLICIDADE

Outros nomes

Umbilicoplastia

Indicações da onfaloplastia

A onfaloplastia está indicada para pacientes que perderam muito peso ou passaram por efeito safona, mulheres que passaram por uma gestação. Normalmente as pessoas que acumulam excesso de gordura ou pele na região abdominal costumam estar sujeitas a deformações no umbigo.


Além disso, certos formatos, como por exemplo, uma cavidade excessivamente profunda do umbigo ou sua projeção em demasia, e as hérnias umbilicais também são algumas das indicações para se realizar a correção estética da área.

Quem é o profissional apto a fazer a onfaloplastia?

Essa cirurgia deve ser feita por um cirurgião plástico, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP).

Pré-requisitos para onfaloplastia

É recomendável que pacientes obesos emagreçam previamente sempre que possível, também, deve-se considerar a presença de hérnias que, simultaneamente, devem ser tratadas no ato cirúrgico.

O paciente precisa estar em condições perfeitas de saúde antes de se submeter a qualquer tipo de cirurgia, com doenças sistêmicas, como diabetes e hipertensão, controladas. É importante que os pacientes fumantes deixem de fumar nas três a quatro semanas anteriores e posteriores à cirurgia, já que o tabaco provoca uma alteração na microcirculação e isto pode comprometer seriamente o resultado da cirurgia. Durante o mesmo tempo, devem abster-se, também, de tomar aspirinas e todo medicamento que contenha salicilato, analgésicos não esteroides ou compostos de vitamina E, devido ao risco de sangramento.

Possíveis contraindicações da onfaloplastia

As contraindicações desta cirurgia são infecções, processos inflamatórios e neoplasias locais; alterações metabólicas, cardiovasculares, pulmonares e de coagulação; e gravidez.

Como é feita a onfaloplastia

Uma das técnicas mais comuns consiste em primeiro desenhar a incisão cutânea que será feita. Ela pode ser circular, semicircular, elíptica, quadrangular, lineal vertical ou horizontal, em cruz, ou mesmo em forma de U, T, V, Y.

Depois, trabalhando por meio de incisões muito pequenas e pouco perceptíveis, feitas no fundo do umbigo, o cirurgião removerá o excesso de gordura e tecido, remodelando o umbigo para um formato mais atraente e natural.

Mas as técnicas variam de acordo com o problema apresentado pelo umbigo, que pode ser correção de hérnias, ausência do umbigo, estenose (umbigo fechado) e muitas outras.

O procedimento é feito normalmente usamos a anestesia local com uso de sedação, mas isso costuma ser conversado com o médico antes da cirurgia. O paciente permanece no hospital no máximo por um dia.

Duração da cirurgia

A cirurgia dura, em média, de uma a duas horas.

Pré-operatório da onfaloplastia

No pré-operatório da cirurgia, normalmente são pedidos exames gerais e específicos para entender como está a saúde clínica do paciente. Entre eles podem estar incluídos hemograma, exames cardiovasculares, entre outros.

Também é importante chegar no horário de sua internação, respeitar o jejum, evitar fumar, ingerir bebidas alcoólicas e comidas gordurosas nos dias que antecedem seu procedimento.

Pós-operatório

É comum que a região apresente dor, hematomas e edemas e que alguns curativos estejam em uso. Por isso é possível usar compressas de solução fisiológica fria, manter sua alimentação normal e equilibrada, evitar alterações bruscas de temperatura e exposição à luz solar por três meses, evitar movimentação excessiva e traumas na região, obedecer às recomendações médicas e realizar seu retorno conforme indicação de seu especialista.

É necessário o uso de faixa ou cinta modeladora e evitar esforço físico. Após uma semana é possível retornar às atividades rotineiras. Exercícios físicos só estão liberados após aproximadamente um mês.

Os pontos são retirados em média até 15 dias. A recuperação irá depender se a intervenção foi ou não associada a outras cirurgias, como a retirada da hérnia umbilical ou a abdominoplastia, que implicará num tempo mais demorado para o paciente se recuperar.

Possíveis complicações da onfaloplastia

As complicações são raras neste tipo de cirurgia, mas é necessário que o paciente conheça claramente os riscos que implica submeter-se a uma onfaloplastia.

A necrose e sofrimento cutâneo, embora pouco comuns, são complicações graves que surgem quando a circulação, tanto arterial quanto venosa, está comprometida. E tardiamente as cicatrizes desfavoráveis também podem aparecer, apesar de serem raras.

Antes e depois da onfaloplastia

Após o tempo de recuperação, é possível perceber os resultados da onfaloplastia: a melhora estética do formato do umbigo, com a correção de determinadas imperfeições, tais como, excesso de pele, gordura entre outras aspectos que comprometem a beleza da região. Um formato ideal de umbigo é pequeno, vertical e bem assentado no abdômen.

Alie a onfaloplastia com...

Normalmente esse procedimento é acompanhado de uma abdominoplastia, que corrige a flacidez do abdômen, afinal pessoas insatisfeitas com o próprio umbigo geralmente também têm queixas sobre sua barriga de modo geral.

Fontes
Cirurgião plástico André Eyler (CRM-RJ: 667.862), membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e Sociedade Americana de Cirurgia Plástica
Cirurgião plástico Eduardo Sucupira (CRM-RJ 583.603), membro titular da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS) e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica