Gluteoplastia de aumento: implante de silicone no bumbum

Cirurgia plástica aumenta o volume e define formato dos glúteos

POR MANUELA PAGAN

O que é o implante de silicone no bumbum

A gluteoplastia é a cirurgia plástica que usa o implante de silicone para aumentar o tamanho do bumbum e também modelar o formato dos glúteos.

PUBLICIDADE

Outros nomes

Gluteoplastia de aumento.

Indicações

A gluteoplastia está indicada para todos aqueles que queiram aumentar ou modelar o bumbum. Em geral, a indicação é para nádegas pequenas, com formato achatado ou que apresentam flacidez e perda de sustentação.


Como é feito o implante de silicone no glúteo

Bumbum - foto: Getty Images
Bumbum

O implante é realizado com anestesias locais (raqui ou peridural) ou anestesia geral. "O procedimento exige ao menos um dia de internação e deve ser realizado em ambiente cirúrgico, com duração aproximada de uma hora e meia", explica o cirurgião plástico Ruben Penteado, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

É realizada uma incisão com cerca de cinco a seis centímetros no sulco vertical que fica entre os glúteos, e através desta são introduzidos os implantes direito e esquerdo. A prótese é posicionada dentro do músculo glúteo maior, numa posição anatômica. Por ser um local de pouca visibilidade, exatamente entre as nádegas, é difícil observar a cicatriz, que fica na altura do cóccix.

A prótese também pode ser posicionada abaixo do músculo, no entanto, o resultado é esteticamente inferior e, por isso, a técnica é pouco utilizada.

Escolha da prótese

Existem os implantes redondos (semiesféricos) ou ovais (trapezoides). Os critérios de escolha estão sujeitos ao biótipo da pessoa: devem estar em acordo com o formato do corpo e, além disso, com os objetivos do paciente. "Em geral, as pacientes com o quadril mais largo podem optar pelos redondos, já aquelas que têm quadris mais estreitos preferem os ovais, mas isso não é uma regra", explica o cirurgião plástico Edmar da Fontoura.

"A prótese semiesférica deixa o resultado um pouco mais artificial, levantando mais o glúteo, a trapezoide imita a anatomia do músculo, proporcionando um resultado mais natural", explica o cirurgião plástico André Eyler, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Tamanho da prótese

O especialista avalia o formato e tamanho do bumbum e orienta a paciente sobre o volume que ficara melhor do ponto de vista estético. Mas a escolha do tamanho fica a critério do paciente e também do formato de corpo que garantirá um resultado harmônico para aquele volume escolhido de prótese.

Material da prótese

As próteses de silicone devem ser de gel coesivo, lisas ou texturizadas. Próteses de outros materiais podem provocar rejeição do organismo. O uso de silicone injetável é proibido por lei, pois o silicone líquido, geralmente industrial, não é permitido para uso médico. Uma vez no organismo, a substância causa reações de rejeição, com processos inflamatórios graves e de difícil tratamento. Além disso, este líquido pode migrar pelo organismo ou mesmo através da corrente sanguínea e atingir órgãos como fígado, rins, pulmões e cérebro, podendo até levar à morte.

As próteses usadas no bumbum tem densidade maior que as próteses destinadas ao implante nos seios, em função da maior exposição a impacto, pois ao sentar o bumbum recebe boa parte do peso do corpo. As próteses de glúteos são mais rígidas e espessas. A alta densidade também impede que haja qualquer vazamento do silicone mesmo que a prótese se rompa.

Contraindicações

Havendo boas condições clínicas de saúde, a contraindicação se restringe a doenças autoimunes, como o lúpus eritematoso sistêmico, por exemplo, cujo quadro clínico pode ser agravar com a implantação do silicone.

Pós-operatório do implante de silicone no bumbum

O paciente deve ficar internado por 24 horas e permanecer de barriga para baixo nas primeiras 48 horas. Somente apos esse prazo é permitido virar de lado. Uma semana depois, já é possível sentar-se.

No pós-operatório, a paciente terá que usar uma cinta modeladora durante um mês. Poderá haver dor nos primeiros dias, controlada com medicamentos. "Recomendamos que o paciente caminhe a passos curtos e sente-se, quando necessário, sobre superfícies mais rígidas, com a coluna ereta, evitando assim tensões sobre a cicatriz", diz Ruben Penteado. "Durante aproximadamente dez dias, o mais indicado é que o paciente durma de barriga para baixo".

É fundamental o repouso no pós-operatório por pelo menos 20 dias. A rejeição às próteses é rara e nesse caso as mesmas devem ser retiradas. A durabilidade das próteses ainda é incerta, mas pode chegar a mais de dez anos. Alguns especialistas acreditam que as novas próteses alcancem os 25 anos, mas não há comprovações.

A retomada gradual de exercícios físicos pode ocorrer após dois meses da cirurgia.

"Com o passar do tempo, o incômodo do pós-operatório passa e a paciente nem sente que está usando uma prótese, pois o material utilizado se molda até criar uma adaptação total", explica o cirurgião plástico Edmar da Fontoura, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Após a cirurgia dos glúteos, a pessoa não poderá mais tomar injeção ou vacina no bumbum. A agulha não vai estourar a próteses, mas pode causar microcortes e comprometer a integridade da prótese. Além disso, a medicação seria injetada dentro das próteses, sem efeitos para o organismo. Outras áreas intramusculares podem ser utilizadas, como os braços ou as coxas.

Resultados

Os resultados da gluteoplastia de aumento podem ser vistos imediatamente, no entanto os resultados finais só aparecem depois da redução do edema, o que demora cerca de um mês.

Possíveis complicações

A complicação mais frequente, que acontece em aproximadamente 20% das pacientes, é a abertura dos pontos no local da incisão. Para solucionar o problema pode ser necessário suturar novamente, mas na maioria dos casos são feitos curativos que gradualmente fecham a incisão, sem danos significativos. A prótese pode também ficar mal posicionada, deixando aspecto artificial. Também pode ocorrer o aparecimento de hematoma, acúmulo de líquido e a contratura capsular, ainda que esses dois últimos sejam eventos são mais raros.

A contratura capsular

Com o passar do tempo, a reação natural do corpo é formar uma membrana fibrosa chamada cápsula ao redor do implante. Em geral, esta membrana permanece fina e em repouso. Em algumas pacientes o organismo pode rejeitar o implante, em consequência, este tecido pode contrair, gerando a contratura capsular. Essa reação faz com que o bumbum fique mais enrijecido, mude de formato ?- deixando a aparência pouco natural - além de possivelmente gerar dor.

Cheque antes da consulta

  • O médico que você irá consultar deve ter registro no Conselho Federal de Medicina (CFM), é possível fazer essa checagem no site da instituição
  • O profissional deve, obrigatoriamente, ser membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Outras instituições não avaliam a formação e experiência do profissional desta área
  • A cirurgia deve ser feita em hospital que tenha acreditação para realizar cirurgias de médio porte. Entre em contato com o hospital para checar
  • Converse com alguém que já fez a cirurgia com o mesmo médico e informe-se sobre o procedimento e os resultados
  • Se a escolha for de anestesia local e não houver complicações no pós-operatório, é possível voltar para casa no mesmo dia. O recomendado é que a paciente fique pelo menos seis horas em observação depois da cirurgia.

Fontes

Cirurgião Plástico Edmar da Fontoura (CRM: 522973), membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Cirurgião plástico André Eyler (CRM: 155284), membro da Sociedade brasileira de Cirurgia Plástica.

Cirurgião plástico Ruben Penteado(CRM: 62735), membro da Sociedade brasileira de Cirurgia Plástica.