Aprenda a cuidar da psoríase no couro cabeludo

Doença pode se assemelhar à caspa, mas causa danos mais graves

ARTIGO DE ESPECIALISTA - ATUALIZADO EM 26/07/2017

Dra. Tatiana Gabbi
Dermatologia - CRM 104415/SP
especialista minha vida

A psoríase é uma doença de pele muito comum: estima-se que cerca de 1% da população mundial sofra deste problema. Normalmente, ela se apresenta como placas vermelhas e que descamam e se localizam principalmente sobre as áreas de trauma do nosso corpo, joelhos e cotovelos são as regiões mais acometidas. Também pode acontecer na região dos pés e mãos, nas unhas, região genital e no couro cabeludo.

PUBLICIDADE

Aproximadamente 50 a 80% das pessoas que sofrem com psoríase apresentam as lesões também no couro cabeludo. Isso faz com que a doença seja relativamente comum e pode, inclusive, ser confundida com uma caspa mais difícil de tratar, em alguns casos. Os sintomas são muito parecidos porque tanto a dermatite seborreica (caspa) como a psoríase fazem parte do mesmo grupo de doenças de pele: são placas vermelhas que descamam e podem coçar bastante!

Quais são os sintomas da psoríase no couro cabeludo?

Na psoríase, as placas tendem a ser maiores e mais grossas do que na caspa, com escamas mais exuberantes, que adquirem uma cor branco-nacarada intensa, podendo até ficar prateada em alguns casos. Essas placas tendem a rachar e podem sangrar, produzindo dor e ardência, além da coceira. Os cabelos também tendem a cair em boa quantidade no lugar das placas. Sem dúvida é um quadro mais intenso do que uma simples caspa, mas pode começar de forma muito semelhante.

Como cuidar da psoríase no couro cabeludo

É importante procurar o médico dermatologista diante disso, pois o tratamento depende de uma série de fatores, como a presença ou não de lesões em outras áreas, bem como a extensão/gravidade da doença. Pode ser necessário desde um tratamento local, com pomadas e xampus, até o uso de medicações mais sofisticadas. É fundamental não cutucar/tentar arrancar as plaquinhas que se formam, pois essa doença piora sempre que se cutuca a pele.

Deve-se apenas lavar e condicionar os fios e usar os produtos recomendados pelo seu dermatologista, que irão cuidar das lesões de pele deste local. Outra recomendação é de não puxar demais os fios, evitando penteados que causem tração nos cabelos, pois os fios estão mais soltos, suscetíveis à queda de cabelo.

Dificilmente uma pessoa apresenta a psoríase restrita ao couro cabeludo, portanto avaliar corretamente o restante da pele é parte fundamental da decisão sobre qual tratamento será usado. Os tratamentos mais comuns incluem uso de pomadas e xampus próprios para a doença, logo no início dos sintomas. Se isso persistir é importante associar medicações orais. Em alguns casos é possível fazer banhos de luz e usar lasers e injeções, mas isso depende do quanto o resto da pele também está acometida pela doença.