Dieta SIRT estimula enzimas que ajudam no emagrecimento

Entenda quais são os alimentos que ativam essas enzimas e os riscos desta dieta

Vinho e chocolate, dois alimentos base da dieta SIRT - Foto: Getty Images
Vinho tinto e chocolate são alguns dos alimentos privilegiados na dieta SIRT

A dieta SIRT é um plano alimentar desenvolvido pelos nutricionistas ingleses Glen Matten e Aidan Goggins. A ideia do plano é seguir uma alimentação que ativa os mesmos genes ligados ao emagrecimento que são estimulados quando se faz jejum ou exercícios físicos.

PUBLICIDADE

Os dois especialistas alegam que os polifenóis são os nutrientes responsáveis pela ativação desse gene, antioxidantes naturais que trazem uma série de benefícios ao organismo.

Por que ajuda a emagrecer?

O embasamento da dieta SIRT está na relação entre os polifenois e o emagrecimento. De fato, existem estudos científicos que relacionam o consumo de polifenois, especialmente o resveratrol, com a imitação dos efeitos da restrição calórica. No entanto, os estudos até então foram feitos em ratos: os animais alimentados com resveratrol mostraram redução nos sinais do envelhecimento, incluindo uma melhora na saúde cardiovascular, maior coordenação motora, redução da formação de catarata e preservação da densidade óssea.


Isso teoricamente ocorre devido a uma ativação das sirtuínas, enzimas que parecem estar ligadas à longevidade, redução do câncer, emagrecimento, combate a inflamação e neurodegeneração e estímulo à formação de massa muscular. Ao que estudos mais recentes indicam, elas preservam a longevidade das células e os tecidos do corpo.

Sabe-se também que as sirtuínas são moduladoras do metabolismo do tecido adiposo (onde ocorre o depósito de gordura). Elas estão ligadas a um gene chamado SIRT, que é muito mais expresso em pessoas magras. Nos estudos feitos em ratos, mostrou-se que a expressão do SIRT 1 causa redução da massa gorda e também a transformação da gordura branca em marrom, que é mais termogênico.

No entanto, estes mecanismos ainda não são completamente conhecidos, o que torna a dieta algo sem tanto embasamento científico.

A dieta SIRT, além disso, também segue um plano alimentar de baixas calorias, o que naturalmente ajuda a emagrecer, ainda mais se for seguido a uma reeducação alimentar posterior.

Como funciona a dieta SIRT

A dieta SIRT é dividida em duas fases:

Fase 1

A fase 1 é a época em que ocorrerá o maior emagrecimento. Esta etapa dura 7 dias e é dividida em duas abordagens:

  • Nos primeiros três dias a pessoa consome três sucos verdes e uma refeição rica nos alimentos SIRT, totalizando 1.000 calorias
  • Nos quatro últimos dias, o consumo indicado é de dois sucos verdes e duas refeições com alimentos SIRT, totalizando 1.500 calorias.

Fase 2

Nesta segunda fase ocorre mais uma manutenção de 14 dias, que ajudará a estabilizar a perda de peso. Nela é indicado o consumo de um suco verde ao dia e três refeições ricas em alimentos SIRT.

Os sucos normalmente levam nos ingredientes o matchá (uma forma de preparar a planta do chá verde que a deixa mais concentrada), a erva levístico e o trigo sarraceno.

Já nas refeições eles indicam alguns exemplos de pratos:

  • Café da manhã: iogurte misturado com frutas vermelhas, nozes picadas e chocolate meio amargo ou uma omelete feita com bacon, chicória vermelha e salsinha
  • Almoço: saladas contendo alimentos SIRT e pão pita integral com peito de peru, queijo ou homus
  • Jantar: camarões com couve e macarrão feito de trigo sarraceno ou pizza feita com os alimentos SIRT.

E depois?

Depois dessas duas fases, que podem ser repetidas sempre que a pessoa sentir necessário, os criadores da dieta indicam que as pessoas continuem consumindo refeições ricas nos alimentos SIRT, transformando seus pratos favoritos do dia a dia com os alimentos indicados pela dita.

Alimentos SIRT

Para os criadores da dieta, os alimentos SIRT são todos aqueles ricos em polifenóis. Veja os exemplos abaixo e quais polifenóis e benefícios eles trazem:

Vinho tinto

Ele é rico em resveratrol, um antioxidante conhecido por seus benefícios à saúde do coração, por ser anti-inflamatório. Além disso, ele também ajuda no combate ao câncer e mutações das células. O vinho também contém piceatanol, que tem propriedades semelhantes.

Chá verde - Foto: Getty Images
Chá verde é rico em polifenóis e considerado um alimento SIRT

Chá verde, chocolate meio amargo, tâmaras e oleaginosas

Estes alimentos são ricos em catequinas, um grupo de antioxidantes que reduzem a aterosclerose (ao inibir a oxidação do colesterol LDL) e combatem os radicais livres.

Cebola roxa, limão, rúcula, salsa e couve

Estes alimentos são fonte de quercetina, assim como a maçã. Ela tem um papel anti-inflamatório no organismo, além de reduzir a circulação da histamina, o que poderia diminuir sintomas de alergia. Além disso, ela pode ser interessante para pessoas com artrite reumatoide, hipertensos, pessoas com maior risco de ter câncer, entre outros...

Frutas vermelhas

Além de conterem quercetinas, elas também trazem o fitoesterol fisetina, que tem sido estudo por seus benefícios para a memória de longo prazo.

Café e a erva levístico

Esses dois alimentos apresentam os antioxidantes ácido cafeico e ácido clorogênico. O primeiro tem propriedades anti-inflamatórias, além de reduzir os danos oxidativos causados pelo álcool. Já o ácido clorogênico (que não existe no café torrado) parece ajudar pessoas que tem pressão mais alta.

Açafrão-da-terra

Também conhecido como cúrcuma, ele contém um nutriente próprio, a curcumina, um poderoso antioxidante, que combate a ação dos radicais-livres no organismo. O açafrão-da-terra também pode ser interessante para pessoas com: indigestão (reduz sintomas de inchaço e gases), colite ulcerativa, úlceras estomacais, osteoartrite, doenças cardíacas, câncer, infecções e doenças neurodegenerativas.

Soja

O alimento contém os nutrientes daidzeina e a formononetina, que possuem atividade estrogênica e podem ser usadas no tratamento de sintomas da menopausa.

Azeite de oliva
Ele contém os flavonoides hidroxitirosol e oleuropeina, entre outros. Esses nutrientes se destacam por reduzirem a pressão sanguínea e diminuírem o risco de doenças cardiovasculares.

Trigo sarraceno - Foto: Getty Images
Trigo sarraceno é base dos pratos da dieta SIRT

Trigo sarraceno
O trigo sarraceno traz a rutina, nutriente antioxidante e que também ajuda na saúde do coração.

Vantagens da dieta SIRT

A maior vantagem da dieta SIRT é ser rica em alimentos fonte de polifenóis. Por mais que a relação entre eles e o emagrecimento não esteja comprovada, sabe-se que estes nutrientes são muito importantes para prevenir o surgimento de doenças crônicas e degenerativas.

Desvantagens e riscos da dieta SIRT

A dieta SIRT apresenta uma indicação de calorias igual para todos os seus praticantes, principalmente na Fase 1, o que pode não trazer a mesma perda de peso para todos. O ajuste das metas de calorias deveria depender de outros fatores, como a prática regular de atividade física, composição corporal, entre outros. Não levar em conta esses fatores pode causar uma redução no metabolismo. Além disso, isso pode acarretar em deficiências nutricionais.

As fases principais da dieta SIRT também trazem restrições alimentares, o que a torna um pouco mais difícil de seguir. Isso também não estimula uma reeducação alimentar: ou seja, quando a pessoa retoma sua alimentação anterior, pode acabar exagerando e ganhando peso novamente.

Por fim, muitos dos alimentos da dieta SIRT não são muito comuns no Brasil, como o levístico, o trigo sarraceno, as tâmaras e algumas frutas vermelhas. O ideal seria uma dieta que privilegiasse mais alimentos naturais daqui, que são mais acessíveis e também ricos em bons nutrientes.

Recomendação

"Alguns estudos envolvendo as sirtuínas nos animam a utilizar os alimentos ricos em polifenóis, mas eu, particularmente, utilizo estes alimentos na prescrição da nutroterapia baseada no hábito alimentar. As dietas com poucas calorias (qualquer que seja o tipo), devem resultar quase sempre em emagrecimento, porém outros fatores precisam ser levados em conta para o resultado à longo prazo. Em outras palavras, uso os alimentos ricos em polifenóis, mas não a dieta SIRT"

Isolda Prado, médica nutróloga da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN)

Fontes consultadas

Nutróloga Isolda Prado, membro da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN)

Nutricionista Fabiana Honda, especialista em fitoterapia e nutricionista da PB Consultoria em Nutrição