Tiamina (vitamina B1) combate o estresse e aumenta a energia

Com grande importância para o organismo, a vitamina B1 precisa ser reposta diariamente

ARTIGO DE ESPECIALISTA

Dra. Tamara Mazaracki
Nutrologia - CRM 52301716/RJ
especialista minha vida

A Tiamina (vitamina B1) é classificada como uma das vitaminas do complexo B. Todas as vitaminas do complexo B são hidrossolúveis, ou seja, o corpo não as armazena e precisam ser repostas diariamente. Pequenas quantidades de Tiamina (vitamina B1) são encontradas em praticamente todos os alimentos.

PUBLICIDADE

No entanto, a deficiência de Tiamina (vitamina B1) está entre as carências nutricionais mais comuns, porque ela é frágil e está entre os nutrientes mais propensos à destruição pelo processamento. A cada passo ao longo do caminho, desde o armazenamento até o cozimento, vai se perdendo uma boa parte do teor de Tiamina (vitamina B1) dos alimentos.

Função da Tiamina (vitamina B1)

A Tiamina (vitamina B1) entra na formação de ATP (trifosfato de adenosina), uma molécula que todas as células do corpo usam como fonte energética. Todas as vitaminas do complexo B, incluindo B1, ajudam o organismo a converter os carboidratos ingeridos em combustível (glicose) para o funcionamento corporal. Elas também ajudam no metabolismo de gorduras e proteínas.


Benefícios da Tiamina (vitamina B1)

As vitaminas do complexo B contribuem para um fígado saudável, e ainda beneficia os olhos, pele e cabelos. Elas também estão envolvidas no bom funcionamento do sistema nervoso e são necessárias para a função cerebral. A tiamina fortalece o sistema imunológico e melhora a capacidade do organismo de resistir a condições estressantes.

Benefícios da Tiamina (vitamina B1) em pesquisa

A falta de tiamina pode causar demência. Pesquisadores têm especulado se a tiamina poderia ajudar na doença de Alzheimer. Vitamina B1 via oral parece melhorar a função cognitiva destes pacientes, no entanto, a absorção de tiamina é pobre em indivíduos idosos. É necessário investigar mais antes da tiamina ser validada como um tratamento para o mal de Alzheimer.

A tiamina pode estar relacionada à insuficiência cardíaca, porque estes pacientes tomam diuréticos que aumentam a excreção de vitamina B1. Alguns estudos sugerem que tomar suplementos de tiamina poderia ajudar.

Há evidências preliminares que indicam a ação da tiamina, juntamente com outros nutrientes, na redução do risco de desenvolver catarata. Pessoas que ingerem proteína suficiente e vitaminas A, B1, B2 e B3 na dieta são menos propensas ao problema.

Deficiência da Tiamina (vitamina B1)

Por causa do papel central da vitamina B1 para o metabolismo energético, a deficiência deste nutriente prejudica quase todas as funções importantes no corpo. Deficiência grave e prolongada de vitamina B1 afeta o sistema nervoso, o coração e a função digestiva, dentre outras áreas. O beribéri é uma doença nutricional causada por uma grande carência de tiamina no organismo, resultando em fraqueza muscular, problemas gastrointestinais, dificuldades respiratórias, perda de sensibilidade dos pés e mãos, confusão mental e até paralisia.

Fontes alimentares da Tiamina (vitamina B1)

A maior parte dos alimentos contém pequenas quantidades de tiamina. As melhores fontes são alimentos de origem animal, como carne bovina, aves, suínos e órgãos, como fígado e coração.

Outras boas fontes alimentares incluem: leguminosas (feijões, grão de bico, lentilha, ervilha, amendoim), cereais integrais, germe de trigo, sementes oleaginosas (principalmente girassol e linhaça), melado e levedo de cerveja.

Dentre os vegetais estão aspargos, brócolis, cebola, abobrinha, cenoura, couve, tomate, ervilhas verdes, beterraba, couve de Bruxelas, espinafre, berinjela, alface e cogumelos.

Quantidade diária recomendada

Se você ingerir uma porção de leguminosas e outra de sementes, você terá metade da recomendação diária (RDA) de vitamina B1. Adicione uma porção de proteína animal e complete a sua necessidade diária. A RDA para adultos é de 1,2 mg e para crianças (9 a 13 anos) é de 0,9 mg. Para mulheres grávidas ou lactantes a RDA é de 1,4 mg.

Deficiência de Tiamina em pacientes de cirurgia bariátrica

Uma das mais graves formas de carência nutricional em pacientes submetidos à cirurgia bariátrica é a deficiência de tiamina. Isto pode ocorrer devido à redução na produção de ácido clorídrico, restrição na ingesta alimentar, vômitos frequentes e rápida perda de peso. A isso se soma a deficiência de outras vitaminas do complexo B, como B12 e folato, muito comuns nestes pacientes.

As vitaminas do complexo B trabalham como uma equipe para prover as células com a energia necessária. Quando há deficiência de algum componente do grupo, particularmente folato e B12, a absorção da vitamina B1 é comprometida. Por outro lado, uma deficiência grave de vitamina B1 pode levar à diarreia, comprometendo a absorção de outros nutrientes do complexo B.

O que dificulta a absorção da Tiamina

Pessoas com insuficiência cardíaca, doença gastrointestinal e diabetes têm risco aumentado de deficiência de vitamina B1, e nestes casos é muito importante restaurar os níveis normais para impedir complicações destas doenças.

Pessoas idosas têm um maior risco de carência, devido a uma redução na capacidade de absorver a vitamina B1 dos alimentos ingeridos. Alguns medicamentos de uso cardiológico podem afetar a absorção de B1 ou podem acelerar a sua eliminação, como digoxina e diuréticos. Café em excesso, cigarro e antiácidos interferem na absorção da vitamina.

Álcool

O mais importante e conhecido inibidor de absorção de vitamina B1 é o abuso de bebidas alcoólicas. Alcoólatras gastam mais vitamina B1 no processo de desintoxicação do álcool, comem menos alimentos ricos na vitamina devido a maus hábitos alimentares, têm problemas de absorção de vitamina B1 no intestino e a perdem mais pela urina.

Efeitos colaterais e riscos da Tiamina

Não há relatos de toxicidade relacionados à ingestão de vitamina B1. Quando o fornecimento de vitamina excede a RDA, o excesso é simplesmente eliminado pela urina. Refletindo a falta de evidência de toxicidade, a Academia Nacional de Ciências (The National Academy of Sciences) não estabeleceu um limite superior de ingestão para a vitamina B1.

Doses de 100 a 300 mg são muitas vezes tomadas por indicação médica, e a tiamina é segura mesmo nessas doses. É importante lembrar que tomar qualquer uma das vitaminas do complexo B durante um longo período de tempo pode resultar em um desequilíbrio de outros componentes do complexo B. Por esta razão, é importante associar o uso de um complexo B incluindo todas as vitaminas da família B.

Referências

Role of thiamine in Alzheimer's disease. Am J Alzheimers Dis Other Demen. 2011

Current aspects of thiamine deficiency on heart function. Life Sci. 2014

Long-term nutrient intake and early age-related nuclear lens opacities. Arch Ophthalmol. 2001

Thiamine and fatigue in inflammatory bowel diseases. J Altern Complement Med. 2013

Prescribing thiamine to impatients with alcohol use disorders. J Addict Med. 2014