Boldo é aliado do fígado e da digestão

Planta também ajuda em casos de ressaca e tem ação diurética

Boldo é um arbusto da região central do Chile e Peru. As folhas do arbusto do boldo têm uma longa história de uso na medicina popular. Podendo ser consumido na forma de chá para uma variedade de fins de promoção da saúde. Tal como acontece com qualquer produto à base de plantas, no entanto, é importante ter cautela e orientação de um especialista.

PUBLICIDADE

Tipos de boldo

Várias pessoas acreditam erroneamente que têm no quintal o boldo-do-chile (Peumus boldus), entretanto, essa planta é raríssima no Brasil. O que acontece é que em nosso país outras plantas também são chamadas de boldo, principalmente o boldo-da-terra (Coleus barbatus ou Plectranthus barbatus) e o boldo-baiano (Vernonia condensata). Também existe o boldo-português (ou boldo-miúdo) e o boldo chinês, raros no Brasil. O boldo do chile é o mais conhecido, mas o boldo baiano é o mais seguro.

Boldo-do-chile (Peumus boldus)

Planta originária do Chile, é considerada uma árvore, pois quando adulta atinge de 12 a 15 metros de altura. Apresenta propriedades estomacais, diuréticas e hepáticas.


Efeitos colaterais: pode ser abortivo e provocar hemorragias internas. Deve ser usado com cautela. Quando usado por longos períodos, pode causar irritação gástrica. No Brasil, é possível encontrar o boldo-do-chile, um produto importado, em farmácias.

Boldo-da-terra (Coleus barbatus ou Plectranthus barbatus)

Arbusto originário da África, atinge de 1 a 2 metros de altura, apresenta folhas aveludadas e produz flores azuladas. Indicado como analgésico, estimulante da digestão e combate azias.

Efeitos colaterais: Quando usado por longos períodos, pode causar irritação gástrica.

Boldo-baiano (Vernonia condensata)

Arbusto também originário da África, chega a alcançar de 2 a 5 metros de altura. Apresenta efeito carminativo e alivia os sintomas de úlcera e gastrite.

Efeitos colaterais: ainda não foram verificados.

Nutrientes do boldo

O boldo conta com lactona, uma substância de gosto amargo e muito eficaz na digestão de gorduras. As folhas do Boldo contêm numerosos fitoquímicos, incluindo boldina, cânfora, limoneno, beta-pineno e cumarina (uma lactona). Os fitoquímicos são compostos antioxidantes potentes encontrados naturalmente em plantas, que ajudam a prevenir e tratar doenças em humanos.

Além disso, as folhas do boldo têm efeito diurético, laxante, antibióticos e anti-inflamatório, mas o mecanismo de ação exato de boldo é desconhecido. O boldo ainda apresenta uma substância denominada ascaridol que é um vermífugo natural. No entanto, é uma substância tóxica quando consumido durante um período prolongado.

Benefícios do boldo

Ajuda na digestão: A boldina, um alcalóide presente no boldo, é conhecida por apresentar propriedades que estimulam o fluxo de bile pelo fígado. A bile tem um papel importante na digestão e absorção de gorduras porque os ácidos biliares contidos na nela ajudam a reduzir as partículas de gordura nos alimentos em muitas partículas diminutas, cujas superfícies são atacadas pelas lipases. Além disso, a bile também serve como meio de excreção de diversos produtos do sangue.

Bom em casos de ressaca: O boldo possui boldina que é hepatoprotetora, desintoxica e ajuda a estimular o fluxo de bile. Ou seja, protege as células do fígado que estão sobrecarregas após o excesso de bebida alcoólica.

Aliado do fígado: O boldo bom para a saúde do fígado devido a sua capacidade de estimular a produção de bile e ser hepatoprotetor.

Reduz os gases: O boldo ajuda a reduzir os gases porque facilita o processo de digestão, diminuindo a quantidade de resíduos alimentares não digeridos para o intestino que seriam fermentados pelas bactérias.

Diminui a prisão de ventre: O boldo é usado como um laxante suave. Contudo, deve ser consumido com moderação, pois em grandes quantidades e por longos períodos, pode causar irritação gástrica.

Ação diurética: As substancias toxicas absorvidas pelo intestino chegam ao fígado pela via linfática. No fígado são metabolizadas e neutralizadas, sendo posteriormente eliminadas. Estudos têm demonstrado que boldo pode ajudar a facilitar a remoção de resíduos e toxinas do fígado antes que eles sejam acumulados, protegendo desta forma as células do fígado.

Bom para a imunidade: O boldo possui ação antimicrobiana que ajuda o sistema imunológico a eliminar agentes infecciosos no corpo.

Quantidade recomendada

Estudos sugerem uma dose de 2,5 g de folhas secas de boldo por dia. Isso equivale a 3 colheres de chá diluídas em 3 xícaras.

Como consumir

A maneira correta de ingerir o boldo é na forma de chá. Despeje 1 xícara de água fervente sobre uma colher de chá de folhas secas.

Cuidados ao consumir

Ao ingerir o chá de boldo, não o consuma em excesso e nem por um período de tempo prolongado. Gestantes não podem ingerir o boldo devido aos seus efeitos abortivos.

Riscos do consumo em excesso

O consumo em excesso pode causar irritação gástrica.

Fonte consultada

Paula Crook, nutricionista da Patrícia Bertolucci Consultoria em Nutrição.