Barbatimão possui ação cicatrizante e pode agir contra a candidíase

Planta também pode ser boa para gengivas e dentes e em casos de dores de garganta

Saiba tudo sobre o barbatimão - Foto: Reprodução Instagram
Saiba tudo sobre o barbatimão

O barbatimão é uma espécie nativa dos cerrados brasileiros, presente nas regiões Sudeste e Centro Oeste. Seu nome científico é Stryphnodendron adstringens (Mart) Coville. Da planta se extrai a madeira, de cerne avermelhado, considerada resistente e durável, enquanto da casca se produz matéria tintorial vermelha, destinada no curtimento do couro. Esta planta também é utilizada na medicina popular pela presença de compostos farmacologicamente ativos e seus potenciais benefícios à saúde. A parte mais usada do barbatimão é a casca, da qual pode ser feito o chá pelo processo de decocção.

PUBLICIDADE

Nutrientes do barbatimão

Na composição química do barbatimão são observados elevados teores de taninos, especialmente na casca. Os taninos são substâncias fenólicas solúveis em água que, nas plantas, possuem o papel biológico na defesa contra o ataque de animais e microrganismos.

O barbatimão também conta com flavonoides em menores quantidades. Os flavonoides são compostos com elevado potencial antioxidante que atuam como protetores das células e seu DNA frente a danos oxidativos gerados por radicais livres.


Benefícios em estudo do barbatimão

Ação cicatrizante: Os taninos encontrados no barbatimão podem atuar positivamente na cicatrização das feridas através de mecanismos como o efeito anti-inflamatório pela vasoconstrição dos capilares (vasos diminuem de tamanho) diminuindo assim o fluxo sanguíneo.

Em paralelo, os taninos são capazes de formar uma espécie de camada de proteção sobre tecidos lesados que ocorre por meio de complexação dos taninos com componentes como proteínas e polissacarídeos, impedindo assim o desenvolvimento de microorganismos, como bactérias, na área afetada.

Os taninos ainda podem promover a formação de vasos sanguíneos, além da reepitelização e ativação de miofibroblastos, células envolvidas no processo de cicatrização de tecidos, contribuindo para o reparo de lesões. As folhas do barbatimão podem ser utilizadas como compressas no processo de cicatrização em casos de cortes e lesões.

Aliado contra a candidíase: O barbatimão pode ter uma ação antifúngica. Alguns estudos sugerem que ele inibe o crescimento da Candida albicans, fungo causador da candidíase, que pode afetar tanto a cavidade oral quanto a região vaginal, gerando sintomas de candidíase. Isso ocorre pela ação dos taninos sobre a integridade da parede celular da levedura, afetando e inibindo o seu crescimento no organismo.

Aliado das gengivas e dentes: Alguns estudos sugerem o uso de extrato da casca do barbatimão, em virtude da atividade antibacteriana, como auxiliar no controle da cárie dental e gengivites. Nestes casos é utilizada a tintura extraída da casca do barbatimão.

Ação contra a doença e Chagas: A avaliação da ação do extrato alcoólico da casca do barbatimão sobre a parasitemia do Trypanosoma cruzi, agente etiológico da doença de Chagas, demonstrou em estudo que os extratos interferiram de forma significativa na redução no número do parasita no sangue, sugerindo um outro possível efeito benéfico dos compostos biologicamente ativos do barbatimão.

Age contra a gastrite: Alguns estudos avaliaram os extratos alcoólicos obtidos pela casca do barbatimão e observaram que eles causam menor acidez gástrica, em virtude do possível efeito anti-secretor de ácido clorídrico. Assim, é possível que a planta tenha ação benéfica frente a úlceras e no quadro de inflamação da mucosa gástrica, observada na gastrite.

Bom contra dores de garganta: Pelas propriedades anti-sépticas encontradas sobretudo na casca, o barbatimão pode contribuir no tratamento e alívio de dores de garganta.

Quantidade recomendada

Não há recomendação sobre qual é a quantidade máxima de barbatimão que pode ser ingerida. Contudo, para adultos em geral, orienta-se o consumo entre uma a três xícaras de chá do barbatimão.

Como consumir o barbatimão

O barbatimão pode ser utilizado externamente, mas seu maior consumo é como chá. O chá pode ser feito da seguinte forma: Utilize a quantidade de 2 colheres de sopa (20g) da casca do barbatimão (previamente higienizada e seca) para cada litro de água filtrada, cozinhando-as em fogo brando por cerca de 10 minutos. Após esse tempo, retire do fogo e deixe repousando por 5 minutos. Depois de coar, o chá de barbatimão estará pronto para consumo.

Cuidados ao consumir

Por falta de evidências em relação à sua segurança no consumo, o barbatimão não é indicado para gestantes pelo potencial efeito abortivo. Adicionalmente, as sementes e vagens do barbatimão podem ocasionar irritações severas em mucosas ao longo do trato gastrointestinal, dependendo da concentração, em decorrência de sua toxicidade.

Efeitos colaterais

Apesar de beneficiar em alguns aspectos, o barbatimão podem ser nutricionalmente indesejável devido a alguns de seus componentes, como os taninos, que em excesso podem se complexar com facilidade a íons metálicos, ocasionando, por exemplo, a redução da absorção de ferro. Assim, ele é contraindicado a pessoas com má absorção e deficiência deste nutriente.

Riscos do consumo em excesso

O excesso de barbatimão pode levar a problemas de absorção de ferro no organismo.

Fonte consultada

Nutricionista Clarissa Fujiwara, Mestre em Ciências pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.