Ginkgo biloba:para que serve, benefícios e como consumir

Planta contribui para memória, circulação e pressão arterial, entre outros usos

REVISADO POR
Clarissa Fujiwara
Nutrição - CRN 32841/SP
especialista minha vida
Saiba tudo sobre o ginkgo biloba na alimentação - Foto: Getty Images
Saiba tudo sobre o ginkgo biloba na alimentação

O ginkgo biloba é o nome de uma árvore de origem asiática, presente na China, Coréia e Japão, que conta com folhas de onde são extraídos seus princípios ativos benéficos. Mas para que serve o ginkgo biloba? A planta se destaca principalmente por melhorar a circulação sanguínea e, consequentemente, aumento do fluxo de oxigênio e nutrientes às células. Veja mais benefícios a seguir:

PUBLICIDADE

Benefícios em estudo do ginkgo biloba

Diminui o risco de formação de trombos: As plaquetas são partículas dentro do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea. A coagulação é essencial para o nosso corpo, contudo em alguns casos podem ocorrer agregações plaquetárias muito intensas e assim aumentar os riscos de doenças como trombose, derrames e ataques cardíacos. O ginkgo biloba age evitando a agregação intensa das plaquetas e assim reduz os riscos das pessoas desenvolverem as doenças que ocorrem em decorrência.

Controla a pressão arterial: O ginkgo biloba estimula a produção do óxido nítrico que tem ação vasodilatadora e assim é benéfico para quem possui pressão alta.


Melhora a circulação: Por ter a ação vasodilatadora, o ginkgo biloba irá melhorar toda a circulação no organismo, inclusive para o coração e o cérebro. Adicionalmente, atua diminuindo o risco de trombose pela menor agregação plaquetéria, pois inibe o fator de agregação das plaquetas (PAF), contribuindo para diminuição da viscosidade do sangue.

Melhora a concentração e a memória: Os neurônios precisam produzir uma substância para que o cérebro fique ativo, a acetilcolina. Para que essa substância se forme, a colina precisa entrar dentro dos neurônios. O ginkgo biloba age facilitando a entrada da colina na acetilcolina. Assim, pesquisas apontam que o ginkgo biloba ajuda a melhorar a memória e a atenção em pacientes idosos.

Melhora a circulação sanguínea no cérebro: Por contribuir para a melhor circulação em todo o organismo, o fluxo de sangue para o cérebro também ficará maior. Assim, o ginkgo biloba pode ajudar em casos leves de labirintite e quando a pessoa sente tontura. Adicionalmente, pode ser utilizado como estratégia terapêutica complementar diante de quadros de enxaquecas.

Ajuda na saúde ocular: Em decorrência da ação antioxidante e proteção frente aos danos causados por radicais livres, atua positivamente em doenças oftalmológicas, pela redução de lesões celulares na retina e da degeneração macular.

Nutrientes do ginkgo biloba

Os principais nutrientes presentes no ginkgo biloba são os terpenóides e os bioflavonóides. Ambas as substâncias possuem ação antioxidante e por isso são benéficas em todas as doenças onde a oxidação é intensa, por exemplo, elas vão reduzir a velocidade de envelhecimento do cérebro.

Pesquisas também apontaram o ginkgo biloba contribui para a dilatação dos vasos sanguíneos, mas não se sabe se é a combinação entre terpenóides e bioflavonóides que proporciona isso ou se apenas um deles.

Quantidade recomendada

A orientação é ingerir de 80 a 240 mg de ginkgo biloba por dia, sendo que os principais benefícios foram constatados quando a pessoa ingere 240 mg em três porções de 80 mg por dia.

Como consumir o ginkgo biloba

O ginkgo biloba melhora a circulação  - Foto: Getty Images
O ginkgo biloba melhora a circulação

Atualmente, o ginkgo biloba é ingerido em cápsulas cápsulas - que devem conter o extrato padronizado denominado "EGB761" com teor mínimo de 24% de flavonoides glicosilados e 6% de terpenóides - ou em pó e pode ser adquirido em farmácias de manipulação.

Efeitos colaterais

Os efeitos colaterais do ginkgo biloba envolve envolvem distúrbios gastrointestinais, como enjoos, gastrite e dores de cabeça. Menos frequentes, pode ocorrer tontura, queda de pressão arterial ou ainda aumento da sensibilidade da pele, causando reações cutâneas.

Cuidados ao consumir

O ginkgo biloba não é orientado para pacientes hemofílicos e também deve ser evitado por pessoas que usam medicamentos anticoagulantes e antiplaquetários. Evite consumir e suspenda o ginkgo biloba próximo de cirurgias pelo maior risco de causar sangramentos. Orienta-se a administração criteriosa sob rígido acompanhamento clínico em gestantes e mulheres que estão amamentando, bem como para crianças. Ingira a planta apenas após a orientação de um médico ou nutricionista.

Riscos do consumo em excesso

O excesso de ginkgo biloba leva a piora dos efeitos colaterais, que são dores de cabeça, enjoos e gastrite. Também podem ocorrer diarreias e alteração da coagulação do sangue a ponto de causar sangramento, mas isto só em doses excessivas.

Fonte consultada:

Roberto Navarro, médico nutrólogo e clínico geral.