Ginseng melhora a saúde do coração e do cérebro

Planta tem ação anti-inflamatória e reduz o estresse e a fadiga

O ginseng é bom para a saúde do coração - Foto: Getty Images
O ginseng é bom para a saúde do coração

O ginseng é uma planta cultivada no oriente cuja raiz é a parte mais consumida. Existem vários subtipos desta planta, sendo que o principal é o panax ginseng. Ela é boa para a saúde do coração, o cérebro, tem ação anti-inflamatória, diminui o estresse e reduz a fadiga.

PUBLICIDADE

Principais nutrientes do ginseng

O ginseng conta com vitaminas B1, B2 e B3, que agem no metabolismo da glicose, dos ácidos graxos e aminoácidos, ou seja, ajuda o organismo a utilizar essas substâncias com eficiência. A vitamina B12, importante para a formação das células vermelhas do sangue e desenvolvimento e manutenção das funções do sistema nervoso, também está presente no ginseng.

A planta, tanto a raiz quanto o caule, também possui ferro, que previne anemia, cobalto, magnésio, necessário para a constituição e bom funcionamento dos neurotransmissores manganês, que tem ação antioxidante e cobre, que ajuda na absorção do ferro.


Apesar de ter todos esses nutrientes, o ginseng realmente se destaca pela presença de saponinas que contam com um forte efeito anti-inflamatório, isto porque elas diminuem as chamadas citocinas pró-inflamatórias, bloqueando parte de sua ação que causa inflamação.

Benefícios comprovados do ginseng

Bom para o coração: O ginseng é benéfico para o coração de diversas formas. Sua ação anti-inflamatória previne a aterosclerose, distúrbio que ocorre quando há o acúmulo de gordura, colesterol e outras substâncias nas paredes das artérias que formam placas. Além disso, a planta proporciona a dilatação dos vasos sanguíneos, permitindo que o sangue chegue mais facilmente ao cérebro.

Alguns estudos ainda apontam que o ginseng ajuda a diminuir os níveis de colesterol, isto porque ele faz com que uma parte maior do colesterol seja absorvida pela bile. A planta também ajuda a elevar o colesterol bom, HDL.

Bom para o cérebro: Como o ginseng ajuda na dilatação dos vasos sanguíneos, ele faz com que mais sangue chegue ao cérebro, o que pode até melhorar a concentração. Além disso, a planta diminui as inflamações dos neurônios, evitando assim a degeneração cerebral e doenças como o Parkinson e o Alzheimer.

Ação anti-inflamatória: Existem dois tipos de inflamação no nosso organismo, uma delas é aquela em decorrência de traumas. Já a outra que acontece devido à produção de citocinas pró-inflamatórias, que acontece em casos de diabetes e obesidade, por exemplo. O ginseng age combatendo está última inflamação.

O ginseng tem ação anti-inflamatória - Foto: Getty Images
O ginseng tem ação anti-inflamatória

Diminui o estresse: O ginseng age sobre a glândula suprarrenal que estimula a produzir o cortisol, principal hormônio do estresse.

Reduz a fadiga: O ginseng reduz a fadiga ao estimular o sistema nervoso central, regulando ou aumentando as funções cerebrais.

Benefícios em estudo do ginseng

Bom para pacientes com câncer: Alguns estudos preliminares realizados em animais observou que em casos de câncer, o consumo de ginseng melhora a qualidade do sono e o apetite do paciente.

Como consumir o ginseng

Apesar do caule também conter saponinas, a parte do ginseng que normalmente é ingerida é a raiz. Ela pode ser consumida nas formas de pó, extrato, capsula e tintura. O pó pode ser adicionado em sucos, sopas e em outros alimentos.

Contraindicações

Como o ginseng interage com medicamentos antidepressivos, anticoagulantes e para ansiedade, pessoas que ingerem qualquer um desses remédios deve evitar o consumo da planta. Hemofílicos, crianças, gestantes e lactantes também devem evitar o consumo de ginseng. Pessoas que irão fazer uma cirurgia devem suspender o consumo de ginseng uma semana antes do procedimento e três dias após.

Efeito colateral

Caso seja consumido por um período superior a oito semanas, o ginseng pode alterar a pressão arterial e interferir na coagulação.

Quantidade recomendada

Ginseng ajuda a diminuir o estresse - Foto: Getty Images
Ginseng ajuda a diminuir o estresse

A quantidade recomendada de pó de ginseng é entre cinco e dez gramas. Quem for ingerir a raiz em si, deve ficar entre um e dois gramas. Não consuma o ginseng por mais de oito semanas seguintes.

Riscos do consumo excessivo

O consumo excessivo de ginseng pode causar uma série de complicações como causar nervosismo, hipertensão, erupção na pele, insônia, diarreia, diminuir prejudicar o sistema imunológico e interferir na coagulação sanguínea.

Receitas com ginseng

Fontes consultadas:

Nutrólogo Roberto Navarro
Nutrólogo e homeopata Silvio Laganá de Andrade, diretor da Clínica Aspin