Dieta para perder barriga: cardápio e alimentos que ajudam a reduzir gordura

Alguns alimentos podem acelerar a queima de gordura e ajudar nesse objetivo.

Perder barriga é o desejo de muitas pessoas, e a alimentação costuma ter relação direta com a gordura localizada nesta região. Na maioria das vezes, este acúmulo de gordura vem da ingestão de carboidratos simples, presentes em pães, massas, doces, refrigerantes e bebidas alcoólicas.

PUBLICIDADE

Além do incômodo estético, a barriga costuma ser um fator de risco para a saúde cardiovascular. Colesterol, hipertensão, diabetes e outros problemas de saúde podem surgir quando a cintura está maior do que o indicado.

Se perder barriga está na sua lista de metas, alguns alimentos podem acelerar a queima de gordura e ajudar nesse objetivo.


O que comer na dieta para perder barriga

1. Peixes e frutos do mar

A inflamação é um dos principais responsáveis pelo ganho de peso. Peixes e frutos do mar, por serem ricos em ômega 3, um ácido graxo essencial, ajudam a desinflamar as células de gordura, atuando no controle do problema e ajudando a perder barriga. Além disso, esses alimentos também aceleram a transformação da glicose em energia, impedindo que ela seja estocada sob a forma de gordura. A inclusão desses alimentos no cardápio pode ser feita pelo menos três vezes por semana.

2. Óleo de cártamo e outros óleos funcionais
Os óleos funcionais atuam no metabolismo das gorduras, aumentando a quebra da dos ácidos graxos para produção de energia e, consequentemente, diminuindo as reservas de gordura. O óleo de cártamo e o óleo de coco agem também na aceleração do metabolismo.

3. Iogurtes com probióticos

Alguns lactobacilos produzem um tipo de gordura, o CLA (ácido linoléico conjugado), que é capaz de reduzir o porcentual de gordura. Além disso, esse tipo de alimento tem como função básica equilibrar a flora intestinal. Um estudo publicado em 2006 pela revista científica Nature mostrou que as bactérias presentes na flora intestinal de pessoas com obesidade são muito diferentes das de pessoas com peso adequado. A descoberta sugere que a absorção inadequada de gorduras no intestino, que ocorre nas pessoas com flora comprometida, pode estar relacionada ao ganho de peso.

Os probióticos também beneficiam o funcionamento do intestino, reduzindo o estufamento da barriga relacionado aos gases e intestino preso. Alguns exemplos de alimentos com probióticos são os iogurtes com lactobacilos.

4. Integrais

Os integrais são ricos em fibras, que são importantes aliadas no processo de perder barriga. O primeiro motivo é que consumir fibras com bastante água ajuda a melhorar o trânsito intestinal, o que evita que a barriga fique estufada e inchada. Além disso, alimentos ricos em fibras tendem a ter um índice glicêmico mais baixo. Isso porque as fibras desaceleram a absorção da glicose dos alimentos, evitando picos de glicemia e do hormônio insulina, responsável por levar o açúcar para as células. Os carboidratos com menor índice glicêmico são: batata doce, mandioquinha, arroz integral e chia.

5. Frutas vermelhas
As frutinhas vermelho-arroxeadas (framboesa, amora, morango, cereja, jabuticaba, mirtilo, melancia e uva roxa) são poderosas aliadas para perder barriga. Existem, nas cascas dessas frutas, substâncias fitoquímicas com ação antioxidante, como a antocianina, que mantém o sistema circulatório eficiente, melhorando a irrigação dos tecidos e ajudando na queima de gordura abdominal. É recomendado o consumo de uma ou duas xícaras por dia, sem adição de açúcar.

6. Chá verde

Além de atuarem no sistema nervoso central acelerando o metabolismo e aumentando a temperatura corporal, as xantinas (cafeína, teofilina e teobromina) presentes no café, chá verde, chá preto, chá mate e chocolate aumentam a mobilização de gorduras estocadas, ajudando a perder barriga. Você pode tomar uma xícara de chá de 30 a 40 minutos após almoço e jantar, com cuidado especial para não consumi-lo antes de dormir (o que pode atrapalhar o sono) e se você for hipertenso, porque essas substâncias aumentam a pressão arterial.

7. Chá de hibisco

Uma pesquisa publicada no Journal of Ethnopharmacology da Sociedade Internacional de Etnofarmacologia concluiu que o chá de hibisco é capaz de reduzir a adipogênese, processo em que as células amadurecem e se tornam capazes de acumular gordura, ou seja, é um excelente aliado para perder barriga. Ainda não está claro qual é a substância presente na bebida que é responsável pelo benefício. Porém, acredita-se que a ação antioxidantes dos flavonoides antocianina e quercetina contribuem para reduzir o depósito de gordura.

8. Gengibre

O gengibre é um alimento termogênico, o que ajuda a acelerar o metabolismo e aumentar a queima de gordura, sendo um excelente apoio ao projeto perder barriga. O gingerol, composto principal, exerce funções antioxidantes, antifúngicas, anti-inflamatórias, inibe a agregação das plaquetas evitando o aparecimento de trombos. A quantidade indicada de gengibre são duas fatias pequenas por dia. Isto é o suficiente para se ter o efeito termogênico.

9. Azeite

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Salud Carlos III, da Espanha, em parceria com a Universidade de Cambridge, da Inglaterra, aponta que a ingestão diária de azeite evita a formação de gorduras na região da cintura. O estudo foi publicado na revista Diabetes Care e afirma que as gorduras monoinsaturadas presentes do azeite previne o acúmulo de gordura na região.

O azeite é um excelente alimento para prevenir doenças cardiovasculares, já que tem componentes anti-inflamatórios que atuam nos vasos, diminuindo a agregação de placas de gordura. Três colheres de sopa por dia do alimento cru (o cozimento transforma a gordura saudável em vilã) são suficientes para colher os benefícios.

10. Água

Todas as reações do nosso organismo dependem da água. Para queimar gordura, eliminar toxinas, o intestino funcionar corretamente e evitar retenção de líquidos precisamos beber água.

Cardápio

Exemplo de cardápio da dieta para perder barriga:

RefeiçãoSugestão
Café da manhã1 pote de iogurte natural + 1/2 colher (sopa) de óleo de coco. 2 torradas integral, 1 ovo cozido e 1 fruta
Lanche da manhã1 xícara (café) de mix de nuts (castanhas, amêndoas e nozes)
Almoço1 prato de sobremesa de alface e rúcula com 1 colher (sopa) de azeite de oliva extravirgem. 1 batata cozida ou 1 prato raso de macarrão integral com molho de tomate. 1 filé médio de pescada grelhada e 1 colher (sopa) de couve refogada.
Lanche da tarde1 pote de iogurte natural desnatado, 1/2 xícara de chá de frutas vermelhas (framboesa, morango e amora) e 2 colheres (sopa) de aveia em flocos ou farelo de aveia.
Jantar 1 prato de sobremesa de alface roxa, tomate-cereja e pepino com 1 colher (sopa) de azeite de oliva extravirgem. 1/2 colher de arroz ou abóbora cozida, 1 fatia de carne de panela e 1 suco natural de abacaxi com gengibre.
Ceia1 iogurte natural

Este exemplo pode variar de acordo com os hábitos alimentares e necessidades de cada indivíduo, mas a partir dele podemos observar que não se deve restringir a alimentação comendo muito pouco em alguns períodos e exagerando em outros.

Lembrando que ao pensar em aderir uma dieta, o melhor a fazer é procurar ajuda de um profissional, como nutricionista, nutrólogo ou endocrinologista.

O que não fazer na dieta para perder barriga

  • Dormir pouco: Durante o sono nosso organismo produz a leptina, hormônio capaz de controlar a sensação de saciedade durante todo o dia. Por isso, pessoas que têm dificuldades para dormir produzem menores quantidades de leptina. A consequência disso é ingestão exagerada de calorias durante o dia, pois o corpo não se sente satisfeito
  • Tomar refrigerante: Alimentar-se com bebidas mais calóricas só faz crescer o perigo de aumentar o peso e ingerir líquidos que contêm gás, como os refrigerantes, faz com que o estômago dilate e prejudique a absorção dos nutrientes. A pessoa se sente falsamente saciada, volta a ter fome pouco tempo depois e, pior, acaba extrapolando no consumo de alimentos na refeição seguinte
  • Comer rápido: A sensação de saciedade, ou seja, de que estamos satisfeitos, é enviada pelo cérebro ao nosso corpo aproximadamente 20 minutos depois de começarmos a comer. Quem come rápido, acaba consumindo mais do que deveria, pois não dá o tempo adequado para a percepção da saciedade pelo cérebro
  • Passar muito tempo sem comer: Dietas que envolvem passar longos períodos em jejum são prejudiciais para o organismo. A orientação é comer de 3 em 3 horas, sendo que o período sem se alimentar não deve ultrapassar o máximo de 4 horas.